Skip to content

A Festa de Formatura, o musical

Natal chegando, covid aumentando. Tudo indica que teremos lojas cheias, pessoas em aglomeração e ansiosas em suas compras, falando e tossindo umas nas caras das outras. Ou seja, início de ano em quarentena intensa. Sem teatro, cinema e shows, a TV ainda nos segura um pouco na sanidade.

Nos lançamentos da semana, a grande aposta da Netflix é o musical A festa de Formatura. Imagine um filme dirigido por Ryan Murphy (American Horror Story – 9 temporadas), estrelado por Meryl Streep (O Diabo Veste Prada – 2006), Nicole Kidman (Big Little Lies – 2017 a 2019), James Corden (The Late Late Show – 2015 a 2020) e outros grandes nomes. Você provavelmente ouviu em sua mente algo como UAU! Mas, no frigir dos ovos, depois que terminamos de assistir o filme, ouvimos algo como HEIM?

Ryan Murphy, o senhor perfeição de Hollywood, já havia produzido a série musical Glee, Em Busca da Fama, com seis temporadas. Também já havia adaptado a peça teatral The Boys in the Band no início deste ano. Agora, com esta Festa de Formatura, Murphy reúne o teatro com o musical, fazendo novamente um remake da peça que ficou em cartaz por um ano na Broadway, The Prom, continuando firme e forte na representatividade queer dentro do mercado cinematográfico. Mas, desta vez o diretor erra seu alvo em quilômetros de distância, o exagero de glitter nos cega e impede qualquer profundidade no roteiro.

A trama toda gira em torno de uma garota lésbica que é impedida de participar do baile de formatura do seu colégio porque anuncia que seu par será sua namorada. O acontecimento viraliza no Twitter e um grupo de atores teatrais decadentes se reúne para defender a causa e conseguir visibilidade nas mídias como politicamente engajados, voltando a receberem convites de trabalhos. É só isso mesmo, não espere mais nada.

Infelizmente, nem Meryl Streep junto com Nicole Kidman salvam o filme. No meio da gritaria toda a câmera se movimenta tanto que algumas vezes pensamos que estamos assistindo algum filme da franquia Transformers, só faltam as explosões. As coreografias são mais circenses do que musicais e o cenário parece que foi construído em cinco minutos.

Para quem gosta de musical, não espere um rigor formal de um La La Land (2017) ou um roteiro emocionante de um Glee. A Festa de Formatura é um filme apenas “bonitinho”, entre aspas mesmo. Para quem não gosta de musical, nem tente assistir.

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.

Foto: Divulgação

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.