Skip to content

HU esclarece diminuição de leitos em boletins diários

Coube ao hospital fornecer as informações que deveriam ter sido passadas pela Secretaria Municipal de Saúde

Telma Elorza

O LONDRINENSE

Depois de tentar ouvir sem sucesso o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, para que explicasse o “sumiço” no número de leitos de enfermaria destinados a covid-19 nos boletins diários divulgados pela secretaria, para a matéria “Londrina perdeu 60 leitos de enfermaria Covid-19 na pior fase da pandemia”,  publicada nesta terça-feira (9), O LONDRINENSE foi procurado pela assessoria de imprensa da Prefeitura para explicar que as coisas “não são bem assim”.

Segundo a assessoria de imprensa, uma certa quantidade de leitos de enfermaria não seria exclusivos para uso de pacientes com a doença. A informação vem contra tudo que o prefeito Marcelo Belinati (PP) afirmou, desde o início da pandemia, como nesta matéria publicada no Blog Londrina, da Prefeitura de Londrina, que tratam os leitos como exclusivos.

Como o secretário não explicou a diminuição do número de leitos nos boletins diários, o Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina (HU/UEL) se sentiu obrigado a fazê-lo. A assessoria de imprensa encaminhou nota da direção do hospital ao jornal, na tarde desta quarta-feira (10), justificando a diminuição nos números. Segundo a nota, “a divergência dos números se deve ao fato de que os leitos não exclusivos deixaram de ser computados para os cálculos das taxas de ocupação, dada sua característica de não exclusividade para o COVID”. De acordo com o hospital não houve perda de leitos.

Enquanto a Prefeitura de Londrina não aprender fazer as coisas de forma transparente e responder questionamentos legítimos da imprensa londrinense, vai enfrentar problemas. E não adianta o prefeito falar que é fake news, porque contra fatos não há argumentos. O LONDRINENSE está de olho e as imagens estão aí para provar.

Leia a nota do HU/UEL na íntegra:

Em relação à notícia intitulada “Londrina perdeu 60 leitos de enfermaria Covid-19 na pior fase da pandemia” a qual foi publicada em 09 de fevereiro de 2021 no jornal on-line O Londrinense, a direção do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina – HU-UEL esclarece que: 

  1. O HU-UEL, constituído como referência regional para o atendimento aos casos suspeitos e confirmados de Infecção Humana pelo Novo Coronavírus, disponibilizou parte de sua capacidade instalada de leitos, bem como, estruturou áreas novas e recém-construídas, para que população de sua área de abrangência assistencial tivesse a segurança de acessar um leito de internação caso necessário, na vigência da pandemia da COVID-19;
  2. O número de leitos disponibilizados levou em consideração a capacidade institucional, haja vista que, para garantir seu funcionamento é necessário, além da estrutura física, infraestrutura de recursos humanos, materiais e equipamentos;
  3. Os leitos são contratualizados com o município, conforme estabelecido pela Secretaria de Saúde do Estado do Paraná – SESA,  e encontram-se estratificados por complexidade em: leitos de Terapia Intensiva Adulto; Terapia Intensiva Pediátrica e Retaguarda Clínica (enfermaria). Além disso, são diferenciados por tipo em: exclusivos e não exclusivos;
  4. Os leitos COVID disponibilizados no HU-UEL encontram-se assim discriminados: 66 leitos de UTI Adulto COVID – exclusivos; 14 leitos de UTI Pediátrica COVID – exclusivos, 96 leitos de Retaguarda Clínica COVID – exclusivos e 50 leitos de Retaguarda Clínica COVID – não exclusivos;
  5. Os 50 leitos de Retaguarda Clínica não exclusivos podem ser utilizados para pacientes COVID ou Não COVID, a depender da necessidade, pois, como hospital público de nível terciário, o HU-UEL é referência específica para inúmeras especialidades e, sendo assim, como integrante da Rede de Urgência e Emergência (RUE) tem porta aberta para essas outras especialidades, mesmo durante a Pandemia de COVID-19.

Frente ao exposto, a direção reafirma que não ocorreu o fechamento de leitos COVID no HU-UEL, cabendo lembrar que os critérios para ativação e desativação de leitos COVID foram aprovados pela Comissão Intergestores Bipartite do Paraná em 03 de setembro de 2020.

Quanto à comparação dos números de leitos de Retaguarda Clínica constantes no Boletim Coronavírus da Secretaria Municipal de Saúde de Londrina, realizada pelo jornal on-line na matéria em questão, esclarecemos que a divergência dos números se deve ao fato de que os leitos não exclusivos deixaram de ser computados para os cálculos das taxas de ocupação, dada sua característica de não exclusividade para o COVID. Contudo, não ocorreu o fechamento dos referidos 50 leitos não exclusivos, os quais continuam sendo utilizados para acomodar os pacientes COVID, ou não COVID, conforme a necessidade.

A mudança dos valores relativos ao número de leitos de Retaguarda Clínica COVID foi necessária, tendo em vista uniformizar as informações veiculadas nos diferentes relatórios e documentos oficiais, que versam sobre os indicadores de ocupação da capacidade instalada, bem como, frente à impossibilidade do HU-UEL em manter o atendimento exclusivamente para a população COVID, conforme estabelecido no início da Pandemia. Cabe salientar que esta foi uma decisão do Comitê de Crise do município, o qual é composto por gestores das instituições de saúde e autoridades sanitárias de Londrina.

  Por fim, a direção do HU-UEL reafirma seu compromisso com a prestação de serviços de saúde de qualidade à população de sua área de abrangência assistencial e aproveita a oportunidade para novamente asseverar sobre a importância do cumprimento das medidas sanitárias que visam à redução da transmissão da COVID-19, tendo em vista prevenir o colapso no sistema de saúde da região.

Foto: Divulgação/HU

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.