Dólar em queda: motivos e implicações

Por Cláudio Chiusoli

Entre os muitos assuntos que acontecem nas notícias econômicas, um tema veio à tona: a queda do valor do dólar.

Quando está alto, tem suas desvantagens e vantagens. Por exemplo, importar produtos ou viajar para o exterior fica caro, enquanto beneficia as empresas que exportam, e os preços dos produtos brasileiros ficam mais competitivos.

O contrário está acontecendo agora, está mais baixo (valorização do Real) e passa a ser vantajoso. Produtos antes importados tendem a ser mais acessíveis e, ainda, no curto e médio prazo pode ajudar a combater a inflação.

Primeiramente, é preciso destacar que o dólar norte-americano serve como referência para as operações globais, pois os EUA oferecem menos risco e são uma economia forte.

Entre as razões de sua queda, algumas explicações vou resumir, entre quatro fatores básicos.

Existe uma combinação da Selic que está acima de dois dígitos (11,75%) e as commodities estão em alta (soja, petróleo, minérios).

Além disso, as ações da bolsa de valores do Brasil estão mais baratas e houve evasão dos investimentos na Rússia e no Leste Europeu para outros mercados emergentes como o Brasil, o que em teoria explica como o dólar está próximo de R$4,74.

Os analistas estimam que o Real pode continuar se fortalecendo no curto prazo, à medida que a tendência de alta dos preços das commodities continue e a possibilidade de novas altas das taxas de juros pelo Banco Central do Brasil.

Como resultado, o forte aumento da SELIC no Brasil colocou a taxa de juros real do país em segundo lugar no mundo depois da Rússia (taxas de juros reais levam em consideração as taxas de juros nominais, menos a inflação).

O segundo ponto para explicar é que o conflito no Leste Europeu acentuou essa tendência, pois este ano foi muito bom para as commodities.

Relacionado a esses dois fatores, a bolsa brasileira ainda está muito barata nas comparações internacionais, e há diversos papéis relacionados ao setor de commodities, como Vale, Petrobras e empresas do setor agrícola.

Em particular, os investidores que deixaram a Rússia e o Leste Europeu durante a guerra encontraram no Brasil uma boa opção para investir em países emergentes, o que justifica o aumento do índice da B3. Em suma, mais dólares entram no país.

Fique por dentro. Boa semana. Gratidão!

Cláudio Chiusoli

Professor de Administração na UNICENTRO – Universidade Estadual do Centro Oeste /PR. Economista formado pela UEL. Pós-doutor em Gestão Urbana pela PUCPR.
Mande sua sugestão ou dúvidas para prof.claudio.unicentro@gmail.com. Acompanhe meu canal do YouTube e minhas redes sociais Linkedin, Facebook Instagram.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.