Ministério Público do Trabalho investigará afastamento dos 95 funcionários da Santa Casa

Parceria entre MPT e MPPR deve apurar possíveis responsabilidades do hospital na contaminação de quase uma centena de funcionários

Telma Elorza

O LONDRINENSE

O Ministério Público do Trabalho (MPT) deve abrir, em parceria com o Ministério Público do Paraná (MPPR), uma verificação para avaliar as possíveis responsabilidades da Irmandade da Santa Casa (Iscal) nos fatos que levaram ao afastamento de 95 funcionários – 15 deles confirmados com covid-19 – da Santa Casa de Londrina, confirmado nesta quarta-feira (20). A reunião entre os dois órgãos já está acertada, faltando formalizar a data.

Segundo o procurador do Trabalho Heiler Ivens de Souza Natali, a ação movida pelo Sinsaúde, em março, chegou a um termo de homologação de acordo em abril. Porém, a grave situação enfrentada pelos funcionários fez renascer a preocupação. “Para quem trabalha, existem duas maneiras de ser contaminado: fora ou dentro da empresa. Quando um número expressivo de funcionários é contaminado ao mesmo tempo, não dá para dizer que todos pegaram o vírus fora da empresa. A culpa é da empresa, que, portanto, está falhando em algum ponto”, disse.

De acordo com o procurador, a situação “vexatória” da enfermaria superlotada, como foi justificada pelo próprio hospital, pode ter causado uma grave situação de contaminação entre pacientes e funcionários. “E quando atinge os trabalhadores, o MPT tem que investigar, existe uma situação que demanda apuração”, afirmou. E disse que problemas financeiros do hospital podem ter contribuído para ela. “Os hospitais perderam boa parte de suas receitas com o cancelamento de cirurgias eletivas”.

Sobre a denúncia de “economia” de equipamentos de proteção de individuais (EPIs) no Hospital Evangélico, o procurador não quis se pronunciar. “Não formalizaram denúncia. Pode ser que nem chegue a nós, agora que a imprensa noticiou”, explicou.

Foto: Iscal

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *