Justiça nega acesso da Sercomtel Iluminação aos autos do inquérito que apura supostos contratos fraudulentos

Pedido da defesa da estatal foi indeferido por “diligências ainda pendentes”

Telma Elorza

O LONDRINENSE

A justiça negou pedido da Sercomtel Iluminação para ter acesso aos autos n° 0051307-32.2020.8.16.0014. que investigam os contratos de licitação para iluminação de LED na cidade com a empresa Energepar Empreendimentos Elétricos. A Energepar também é investigada por contratos fraudulentos com as prefeituras de Foz do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu, na chamada Operação Luz Oculta.

O pedido foi protocolado na 3a.Vara Criminal de Londrina e negado pela juíza substituta Deborah Penna. Na petição, a defesa da Sercomtel Iluminação pediu o levantamento do sigilo dos autos, porém o Ministério Público defendeu que “se trata de medida de caráter sigiloso, cujas diligências se encontram pendentes de cumprimento”. No despacho, a juíza afirmou que a defesa deve “ceder em favor do interesse público protegido em procedimentos de natureza sigilosa”.

Dois funcionários da Sercomtel Iluminação devem prestar depoimentos hoje, ao Núcleo de Londrina da Divisão Estatual de Combate a Corrupção (DECCOR), segundo informou o Blog do Zé Beto. O horário do depoimento não foi divulgado.

Segundo uma fonte do O LONDRINENSE, os responsáveis pela investigação em Londrina – DECCOR, com apoio do  Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria) – estão resguardando informações desde que um secretário municipal foi ao Núcleo dar “uma dura” nos promotores e delegados afirmando “que a investigação tinha conotação política”. De acordo com a fonte, o secretário quase foi preso por um dos promotores.

O LONDRINENSE está tentando contato com os envolvidos. Mais informações a qualquer momento.

Foto: Arquivo/Sercomtel Iluminação

Compartilhar:

Um comentário em “Justiça nega acesso da Sercomtel Iluminação aos autos do inquérito que apura supostos contratos fraudulentos

  • 19 de outubro de 2020 em 10:38
    Permalink

    Parabéns para a cobertura do site sobre esse escândalo, digo sem medo de errar, maior que o caso AmaComurb. E quem diria que um dos maiores combatentes de corrupção estaria supostamente envolvido. Ganha em credibilidade, enquanto outros perdem…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *