Vamos voltar para a realidade da vida!

O Sete de Setembro passou e, pelo que se vê, o [falso] patriotismo ficou por lá, arraigado nas bandeiras do Brasil flamuladas ao vento dos carros, motos e caminhões que passaram buzinando pelas ruas das cidades. Agora, o verdadeiro patriota volta para a realidade e busca transformar a sua vida e a vida das pessoas, a vida da sociedade como um todo. Não apenas os interesses de um grupo ou de uma classe. Muito menos os interesses de um presidente mentalmente transtornado e com complexo de superioridade.

Sabe quem são os verdadeiros patriotas desse Brasil? Os cientistas que se debruçaram em estudos e pesquisas sobre a Covid-19 mesmo com poucos recursos e com uma enxurrada de fake news atrapalhando-os. Ou, então, os professores, principalmente do ensino infantil, mas, sobretudo, cada um dos mestres que teve de se multiplicar para dominar as tecnologias digitais para poder levar o conhecimento aos alunos isolados em casa, ainda que seus salários não sejam dignos da função que ocupam. E os bombeiros e policiais? São eles que se desdobram em tantos quantos forem necessários para combater incêndios e crimes num país que queima suas florestas e mata a troco de nada.

Não podemos nos esquecer dos profissionais de saúde, que não perderam o rumo, apesar de estarem no limite no atendimento a tantos casos de Covid-19, na linha de frente junto ao medo e ao receio de ser infectado. Os verdadeiros patriotas estão no cotidiano, no trabalho árduo, na luta pelo sustento da família e, de modo especial, no combate às falsidades de um governo fascista, genocida e com traços tirânicos escondidos sob a égide da religião e da família tradicional brasileira. Já passou da hora do país romper com um presidente arrogante e que não está preocupado com os verdadeiros problemas do país.

Comunismo? Nem a China é, de fato, comunista. Esta não é uma ameaça ao Brasil. Mas, como todo discurso persuasivo, é esse que se destaca enquanto a gasolina ultrapassa os R$ 7, o PIB fica negativo, o número de desempregados ultrapassa os 14 milhões, o gás de cozinha bate os R$ 120 e a inflação só sobe. Sem qualquer cenário de melhora, muitos brasileiros vão às ruas defender uma pessoa indefensável enquanto a obrigação de qualquer político é trabalhar pelo povo. Não consigo conceber uma população que sai às ruas para defender político. Desculpa aí, vamos voltar para a realidade da vida!

Fábio Luporini

Sou jornalista formado pela  Universidade Norte do Paraná e sociólogo formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) . Fui repórter, editor e chefe de redação no extinto Jornal de Londrina (JL), atuei como produtor na RPC (afiliada da TV Globo), fundei o também extinto Portal Duo e trabalho como assessor de imprensa e professor de Filosofia, Sociologia, História, Redação e Geopolítica, em Londrina.

Foto: Fotos Públicas

Compartilhar:

1 comentário

  1. Não compreendo o porque tem gente que o apoia
    Apoia quem deixou de comprar vacina para depois ganhar propina
    Apoia quem implementou política de preço atrelada ao dolar na petrobras
    Apoia quem tirou Moro pra acobertar os funcionários fantasmas e as rachadinhas
    Apoia quem mantém ministro confessadamente corrupto e comprovadamente recebeu caixa 2.
    Apoia alguém que nunca trabalhou mas possui imenso patrimonio com dezenas de imóveis milionários e depois de eleito se juntou ao centrão, temer, ricardo barros e cia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *