Skip to content

Sinto mais vontade de fazer sexo que meu namorado. O que faço?

Por Telma Elorza

“Gosto muito de fazer sexo, mas meu namorado parece que tem preguiça de transar. Ele nunca me procura e quando eu faço, tenho que me esforçar muito para ele ter uma ereção. No começo do namoro não era assim, transávamos a toda hora. Agora, um ano depois, passamos até um mês sem transar e sempre sou eu que forço a situação. Não acho que esteja me traindo porque ele é muito caseiro. Será que é algum tipo de doença ou ele não sente mais atração por mim? O que faço?”

A leitora levanta uma questão importante e muito mais comum do que se imagina: a falta de desejo sexual masculino. Por essas questões de sociedade patriarcal, a maioria das mulheres não reclama em público (nem em particular, com as amigas) que o marido/namorado/companheiro não anda dando no couro. Elas preferem acreditar que a falta de desejo é culpa delas, que fracassaram como mulher desejável ou que o marido deixou de sentir tesão por ela por algum motivo obscuro ou porque tem outra.

Não passa pela cabeça dessas mulheres que boa parte dos homens pode perder o desejo sexual por vários fatores que não estão ligados, em nenhum ponto, a elas. Pode ser uma doença, pode ser estresse, pode ser queda hormonal (mais comum conforme os homens vão envelhecendo), pode ser trauma (sim, se um cara sofre com falta de ereção algumas vezes seguidas, por fatores como os anteriores descritos, pode desenvolver medo de tentar e falhar de novo).

Pode ser até que o cara seja assexual e apenas tenha cansado de fingir interesse no sexo. A assexualidade é uma orientação sexual com muitas particularidades: seu desinteresse por sexo não significa que não possa amar uma pessoa e tentar satisfazê-la. A atração romântica é diferente da atração sexual e, sim, o assexual pode manter um relacionamento afetivo e pode fazer sexo, embora tenha algumas dificuldades.

Depois de um ano de relacionamento, a leitora já deve ter criado intimidade suficiente para chamar o namorado para uma conversa sincera e por as cartas na mesa. Questionar o desinteresse de forma amigável, sem tentar jogar culpas sobre o outro, e buscar soluções. Uma delas seria, primeiro, ver se ele realmente não é realmente assexual e que só mantém relações porque ele a ama.

Descartada essa possibilidade, seria o caso de buscar ajuda médica, fazer um exame clínico que descarte doenças como diabetes, problemas hormonais (baixos níveis de testosterona, prolactina e hormônio tireoidiano podem influenciar a libido), depressão ou, até, alcoolismo. Estresse no trabalho também é um grande empata-foda, literalmente. Enfim, são N causas que podem fazer qualquer um perder o tesão.

Seria preciso investigar mais a fundo, já que a própria leitora descarta a possibilidade de traição. Aliás, está certa ela. Pela minha experiência, os homens – principalmente os mais jovens – tendem a ser extremamente ativos com as esposas/namoradas quando estão pulando cerca. Muitas mulheres deixam de desconfiar deles exatamente por esse motivo.

Tem dúvidas sobre sexo? Escreva para o email telma@olondrinense.com.br

Quem é Telma Elorza, a Tia Telma?

Jornalista, divorciada, xereta por natureza e que sempre se interessou muito por sexo. Com a vida, aprendeu várias coisas, mas a principal é que sexo é uma coisa natural e deve ser sempre prazeroso.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.