Tenho vontade de transar com todo mundo e até com objetos, sou normal?

Por Telma Elorza

“Minha cabeça está um nó, não sei o que fazer. Não consigo me decidir se gosto de homem, de mulher ou de objetos, como bonecas. Tenho tesão por tudo e todos. Devo procurar um psiquiatra? Porque não pode ser normal isso.”

O leitor não especificou sua idade, mas eu imagino que seja jovem, porque esses tipos de dúvidas surgem principalmente na descoberta da sexualidade, o que acontece geralmente na adolescência, quando os hormônios estão em ebulição.

Mas, independente da idade, acho que não precisa de um psiquiatra e, sim, de um psicólogo que possa o ajudar a se entender melhor. Existem várias possibilidades que precisam ser analisadas e que, no conjunto, podem trazer uma luz e alívio. Mas, veja bem, eu afirmo é que apenas para se entender e se aceitar porque sexualidade, qualquer que seja, não há cura. Ou seja, você não vai se tornar hetero com terapia nem com nada.

Uma das possibilidades que pode ser investigada é o hiperativismo sexual, um desejo obsessivo por sexo em que o indivíduo apresente um nível elevado de desejos e fantasias por tudo e por todos, que é uma síndrome que afeta homens e mulheres. Porém, geralmente, o portador realmente necessita fazer sexo várias vezes por dia, o que pode até acabar atrapalhando seu trabalho e suas relações com as pessoas a seu redor. Como o leitor não especificou se esse é o caso, uma outra possibilidade é a pansexualidade, mas misturada com um certo fetiche por objetos inanimados, chamado de Agalmatofilia.

A pansexualidade é diferente da bissexualidade. Enquanto na bi, a pessoa tem atração por pessoas dos gêneros masculino e feminino, na pan a atração ultrapassa a questão de gênero. Ou seja: sente atração por homens e mulheres cys, homens e mulheres trans, não-binários, intersexuais, andróginos, heteros, homos, assexuais, etc, enfim, passando por toda gama complexa de gênero e sexualidade (duas coisas diferentes, ok?). Pans famosos como os cantores Miley Cyrus, Jason Mraz e Brendon Urie explicam que não gostam de se limitar a gêneros, desde que seja consensual.

No entanto, a pansexualidade está sempre ligada a atração por pessoas, não por objetos. Por isso, surge também a possibilidade da agalmatofilia aí no contexto. Na agalmatofilia, o tesão e o desejo sexual são direcionados, principalmente para estátuas, bonecas e outros objetos inanimados como manequins de lojas, bonecas infláveis, etc. Este tipo de fetiche é bem antigo e há registros anteriores a 1900. Um deles aponta o caso de um jardineiro que foi flagrado tentando fazer sexo com a estátua da Vênus de Milo, no jardim da casa onde trabalhava.

Ou seja, nessa mistureba toda, é melhor mesmo que o leitor busque ajuda especializada para se entender. Mas uma coisa que eu sempre digo: não existe “normal” em sexualidade. Desde que seja consensual e lhe faça feliz, não prejudicando sua vida, sexo é bom e natural. Mesmo que seja com uma boneca inflável.

Tem dúvidas? Mande sua pergunta para o email telma@olondrinense.com.br

Quem é Telma Elorza, a Tia Telma?

Jornalista, divorciada, xereta por natureza e que sempre se interessou muito por sexo. Com a vida, aprendeu várias coisas, mas a principal é que sexo é uma coisa natural e deve ser sempre prazeroso.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.