Skip to content

Socialismo X Comunismo: quais as diferenças ideológicas?

Por Cláudio Chiusoli

Notícia recente que ainda não está amplamente divulgada: “O Supremo Tribunal Federal (STF) validou, por unanimidade, dispositivos da Lei da Reforma Agrária (L8.629) que permitem a desapropriação de terras que não estejam cumprindo a sua função social”.

Diante dos fatos, é importante destacar a relação entre o socialismo e o comunismo que são duas ideologias políticas e econômicas relacionadas, mas distintas, que têm em comum a busca por uma sociedade mais igualitária e a eliminação da desigualdade econômica.

Socialismo X Comunismo

No entanto, diferem na forma como atingem estes objetivos e na medida em que desejam efetuar mudanças na sociedade. Enquanto o socialismo prega algumas características como:

  • Propriedade coletiva ou estatal;
  • Planejamento central;
  • Eliminar a desigualdade; e
  • Ênfase no coletivo

No comunismo, tem-se como pensamento principal:

  • Abolição total da propriedade privada: leva a ideia de propriedade coletiva a um nível ainda mais extremo, eliminando completamente a propriedade privada dos meios de produção, ou seja, as fábricas e as terras.
  • Estado sem classes: o objetivo final é uma sociedade sem classes onde não existe mais divisão entre trabalhadores e proprietários dos meios de produção. O estado é considerado uma transição temporária e deverá eventualmente desaparecer.
  • Distribuição de acordo com as necessidades: os recursos são distribuídos com base nas necessidades de cada indivíduo e não no trabalho realizado. Isto significa que não importa o emprego que as pessoas tenham, elas têm acesso a tudo o que precisam para viver uma vida boa.

Alguns países adotaram sistemas socialistas com economias mistas, combinando propriedade pública e privada, enquanto outros procuraram formas mais próximas do comunismo, a exemplo de Cuba, China e Coréia do Norte.

A interpretação e aplicação destas ideologias pode ser altamente controversa e gerar intenso debate político, inclusive recentemente no Brasil. Assim, de longe, se for por opção, parece que o sistema socialista é mais suave que o sistema comunista.

Em outras palavras, provoco uma reflexão: Concorda em trabalhar, receber o dinheiro suado após um mês de trabalho e compartilhá-lo com quem não está trabalhando? É esse o Brasil que queremos no texto inicial acima, conforme decisão do STF?

Finalizo com a opinião da Margaret Thatcher (1925-2013), que “o problema com o comunismo é que um dia o dinheiro dos outros acaba.”

Fique por dentro. Gratidão!

Cláudio Chiusoli

Professor de Administração na UNICENTRO – Universidade Estadual do Centro Oeste /PR. Economista formado pela UEL. Pós-doutor em Gestão Urbana pela PUCPR. Mande sua sugestão ou dúvidas para prof.claudio.unicentro@gmail.com. Acompanhe meu canal do YouTube e minhas redes sociais Linkedin, Facebook Instagram.

Leia todas as colunas de Economia no Seu Dia a Dia

Foto: Freepik

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

4 Comentários

  1. Só sou capaz de responder sua pergunta se antes responder outras. Por que estou trabalhando e o outro não? As condições de trabalho estão condicionadas a algum tipo de privilégio? Existe algum tipo de discriminação, de raça, de cor, de gênero ou de classe social no salário?

    1. Caro Francinaldo…..boas reflexões….assunto que nunca vai terminar e vem de muito tempo. mas digo uma coisa…estamos.em um país sem segurança jurídica e pode piorar .cada um tem seu ponto de vista. gratidão pelas colocações

  2. No meu ponto de vista é que não existe um sistema perfeito. Porém a história nos aponta aquele que mais fez a uma nação prosperar em relação a outra nação.

    Em acredito que uma nação prosperar gera oportunidades melhores de trabalho, remuneração e qualidade de vida para uma maior massa de pessoas, o que favorece a sua população a possibilidade de estender a mão para o seu próximo menos favorecido, por qualquer que seja esse desfavorecimento.

    Agora entregar ao governo a função de ajudar aos necessitados, esquece, pois o que vemos são um boa parte dos governantes, não generalizando, pois acredito que existam pessoas bem intencionadas, vivendo regalias pagas pelos impostos pagos pelos contribuintes.

    Me corrija se eu estiver. O aumento do salário dos trabalhadores aumentou 1% enquanto que os governantes em torno de 6%.

    Quem é que mais ajuda ao próximo? Quem ganha 1% de aumento ou quem ganha 6% de aumento?

    Apenas minha opinião em meus anos de vida rodando pelo Brasil.

    1. Boa colocação Júlio, vale a reflexão…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.