Skip to content

Pagamos muito imposto? A Curva de Laffer explica

Por Cláudio Chiusoli

Uma das principais razões para o aumento da carga tributária do Brasil é o aumento dos gastos públicos, ainda mais com um atual governo que gasta muito.

Após a estabilização do Real (1994), o Brasil reduziu a emissão de moeda em relação a sua política monetária, necessitando de um aumento na carga tributária para financiar os gastos públicos.

Em 2023, a carga tributária total do governo federal representou 32,5% do PIB. Isso mesmo! Trabalhamos 1/3 do ano para destinar nosso “suado dinheiro” ao governo.

O problema em questão não é quanto se paga em impostos. É o quanto o Brasil proporciona de retorno à população com base no valor que arrecada, que hoje é péssimo.

Existe uma análise que leva em conta a relação entre as alíquotas de impostos e as receitas geradas pela tributação.

Curva de Laffer

A teoria da Curva de Laffer tem sido utilizada para defender cortes de impostos, especialmente quando os impostos são considerados demasiado elevados, pois desestimulam o investimento e o crescimento econômico.
Curva de Laffer – Reprodução da internet

O economista Arthur Laffer (hoje, com 83 anos), na década de 1970, desenvolveu um simples modelo que defendia a redução dos impostos cobrados da sociedade como forma de estimular a economia. Conhecido na ciência econômica como a Curva de Laffer, tem sido foco de debate e polêmica.

A teoria da Curva de Laffer tem sido utilizada para defender cortes de impostos, especialmente quando os impostos são considerados demasiado elevados, pois desestimulam o investimento e o crescimento econômico.

Para explicar brevemente, a relação entre as taxas de impostos e arrecadação do governo relacionava que em um extremo se a taxa de imposto fosse 0%, a receita do governo seria zero porque nenhum imposto é cobrado.

Assim, se os impostos forem muito baixos, mesmo quando a atividade econômica for elevada, a arrecadação pode não ser suficiente para financiar as despesas do governo.

Da mesma forma, se a taxa de imposto fosse de 100%, a receita fiscal também seria zero porque esses impostos elevados desencorajava a atividade econômica e o emprego.

Assim, se os impostos aumentam, as pessoas tendem a trabalhar e a produzir menos, reduzindo assim a arrecadação tributária por conta da sonegação.

Neste ponto, de 0% a 100%, existiria uma taxa de imposto ideal que maximizasse a receita fiscal do governo.

No entanto, a sua aplicação prática é criticada pela sua simplicidade e imprecisão na previsão do impacto real das mudanças na política de arrecadação.

Mas tem seu conceito apropriado na ciência econômica para explicar o quanto ele estimula o ritmo da economia.

Fique por dentro. Boa semana. Gratidão!

Cláudio Chiusoli

A interferência do governo nas estatais, principalmente ao nomear dirigentes sem qualificação técnica, pode estar resultando em prejuízos

Professor de Administração na UNICENTRO – Universidade Estadual do Centro Oeste /PR. Economista formado pela UEL. Pós-doutor em Gestão Urbana pela PUCPR. Mande sua sugestão ou dúvidas para prof.claudio.unicentro@gmail.com. Acompanhe meu canal do e minhas redes sociais Linkedin, Facebook Instagram.

Leia todas as colunas de Economia no Seu Dia a Dia

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.