Skip to content

Shazam!

Estreou esta semana o aguardado filme da Warner/DC, Shazam! Herói criado por C. C. Beck e Bill Parker em 1939 e que, originalmente, era conhecido como Capitão Marvel. O roteiro parte da premissa de que qualquer um de nós pode se transformar em um super-herói.

Trata-se de uma história que aborda poderes míticos de Deuses do Olimpo. Ao contrário dos outros filmes sombrios da DC, este filme é despretensioso, engraçado, leve e simples sem ser simplório, e só não se transforma em uma grande paródia graças ao carisma dos atores Asher Angel e Zachary Levi, interpretando Billy e Shazam, respectivamente.

Dirigido por David F. Sandberg (Quando as luzes se apagam e Anabelle 2: a criação do mal), os diálogos se desenvolvem, como nos blockbusters dos anos 80, a partir do caricato, do exagerado. Apresentando um delicioso visual “retrô”, o filme todo reforça esta estética, os cortes são abruptos, as piadas inocentes e os efeitos especiais são propositalmente precários para a tecnologia cinematográfica atual. Impossível não se lembrar de Os Caça-fantasmas, De Volta para o Futuro, Gremlins, entre outros. Em entrevista, Sandberg confessou que Stranger Things (2016) foi grande inspiração para este filme.

O marketing da produção manteve o bom senso e não contou a história toda nos trailers. Portanto, você pode esperar algumas surpresas e reviravoltas na trama. Prepare sua pipoca, mas não espere discussões profundas sobre problemas contemporâneos. Superior a Aquaman, sem dúvida alguma Shazam! é uma deliciosa “Sessão da Tarde”.

foto: Divulgação

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.Compartilhar:

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.