Recordando Bandas!

Por Rogério Rigoni

Estou envelhecendo e isso nunca foi um problema, minha alma continua ROCK! E o rock não envelhece.

Não sei se vocês vão se lembrar: em Salvador, no ano 2000, surgiu uma banda chamada Superfly, formada por Bruno, Urso, Jão e Rick. Os meninos lançaram: “O voo da Mosca” e o auto-intitulado. Ambos maravilhosos, bem rock! Inclusive a música “Transeira” tem uma “pegada” poderosa e o disco ainda conta outras muito boas, como a “Junk meu Rei”. Essas duas tem clip no YouTube e a “Junk”, que foi gravado no Rio de Janeiro em 2001, tem Ana Luiza Castro, protagonista do clip. Dá um “confere” lá!

 Cá estava procurando algum trabalho da banda, que não conhecia e achei “Cabeça de Cera”, um Hard/Core “fodástico”.

Lembrei-me do programa “Caminhos da Aventura”, que a Dani Monteiro apresentava. A música de abertura era “Sozinha”, acho que essa alguém vai se lembrar!

Outra surpresa: parece que banda voltou em 2016, mas não tem sinal de músicas novas. Criaram uma página no Youtube, onde disponibilizaram a música/clip “Combustível” que por sinal é uma “somzeira” massa! Para quem se interessou, dá uma pesquisada no trampo dos meninos. Compensa muito!

Um adendo: O Superfly na época tocava na Transamérica Londrina, quando esta era uma rádio voltada para o rock e tocava muita banda pouco conhecida no meio musical. Essa rádio não existe mais em Londrina.

Aproveitando o gancho dos meninos de Salvador: na Bahia tem uma banda de Trash Metal excelente, chamada “Síndrome K”! Para você que gosta de som pesado, cantado em português, confere o trabalho desses meninos. Tá matador!

Banda “Crime”, essa banda é outra que admiro o trabalho. Com um álbum lançado em 1986 intitulado Crime, a banda formada por Rogério Campos, Magui, Otavio e Fantasma, embalou uma grande parte dos meus 14 anos em diante. Essa eu lembro onde ouvi pela primeira vez e qual som foi.

Aqui em Londrina tinha a boate “Baturité”. Eu e uns amigos íamos todo final de semana. Lá tinha um DJ chamado Ricardo, esse cara fazia uma seleção de bandas como Replicantes, Inocentes, Cólera e Crime. Dessa ele tocava a música “Morra” que não só eu, mas a Baturité inteira cantava junto.

Em uma sorte incrível, eu achei esse vinil na loja de discos e comprei. Esse eu tenho até hoje e escuto sempre que posso.

Foto: Acervo pessoal

Apesar da banda contar com outras músicas, o contrato com a gravadora era para um EP apenas e por este motivo, o disco conta com apenas 5 músicas. Isso foi uma grande pena, esse EP só tem som foda. Fico imaginando as músicas que ficaram de fora, deveriam ser massa!

No meu canal “Histórias de Rock. Simples, direto” (YouTube) fiz um vídeo falando desse disco. Muito tempo depois recebi nas notificações que tinha recebido um comentário, fui lá conferir. Cara! Era o Fantasma, baixista da Crime na época comentando que achou o vídeo legal e passou informações que eu não sabia sobre a banda. A vida e suas surpresas boas! Valeu demais, Fantasma!!!

Lembrando que tem FULL ÁLBUM da Crime disponível no YouTube.

Banda Junk, essa também tocava na época boa da Transamérica! O som que rolava da Junk era “Odeio”, música muito massa! A banda lançou o álbum em 1999 e contava com músicos de peso, como Fábio Zaganin, Mário Fabre e Rodrigo Fernandes. Por ser o primeiro disco, ele surpreendeu pela qualidade da produção.

Passei anos e anos sem lembrar o nome da banda e o nome da música, não tinha escutado mais nada da Junk até então. Até que um belo dia lembrei de um pedaço da música e resolvi arriscar e deu certo, tem FULL ÁLBUM disponível no YouTube.

 De 1980 a 2000, muita banda massa surgiu e a Junk foi uma delas. Lançou apenas um disco, que por sinal é um puta disco massa! Quem não conhece, eu recomendo dar uma escutada no trabalho dos meninos.

Nesse país “fascistinha”, já tiveram muitas bandas de rock legais. Algumas até mal compreendidas pelo público e outras que comercialmente não dariam lucros para as gravadoras e foram deixadas a Deus dará!

Hoje, o que rola nas rádios são músicas sem nenhum conteúdo. Não tem uma Letra que te faz parar para refletir. Tudo muito “rimadinho” e bem sem graça. O país vindo abaixo e esse povo cantando e exaltando a bebida, carros de luxo, rebaixando a mulher a nada e ainda ganhando dinheiro com essas merdas todas.

Vou dar uma dica, leiam as letras da banda Ratos de Porão, não precisa nem ouvir, só ler. leiam as letras do LP “BRASIL”, de 1989, até “Homem Inimigo do Homem” de 2006, letras mais que atuais da situação desse paisinho que é vergonhoso. Quando ler, verá que “has estado en la mierda durante mucho tiempo”, ACORDA POVO!

É por essas e por outras tantas, que a “Cena Autoral Independente” não morre nunca! Sempre vai ser uma pedra no sapato desse sistema hipócrita e imbecil.

Bandas como: Cigarras, Crush all Tyranny, Menstruação Anarquika, Klitores Kaos, Detrito Federal, Lobotomia, Vida Ruim, Faca Cega, Santa Muerte e outras tantas que estão levando mensagens de protesto, inconformismo e revolta. Cantando para quem quiser ouvir: DEIXEM DE SEREM MANIPULADOS! VAMOS À LUTA, PORRA!

Bora pro ROCK!

Rogerio Rigoni


Foi comerciante a vida toda, se rebelou e assumiu seu lado de escultor. A música que sempre foi sua paixão! Rock and roll na vida e na arte!

Foto: Print de vídeo da Superfly

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *