Pesquisa mostra que 68% dos brasileiros já se masturbaram na casa de amigos

Por Telma Elorza

Hoje, a coluna vai ser um pouco diferente. Vamos falar sobre sexo, sim, mas o tema vai ser uma pesquisa realizada pela plataforma Sexlog, maior rede social de sexo e swing do Brasil, com mais de 16 milhões de usuários cadastrados. Ou seja, cada vez que a plataforma faz uma pesquisa, tem um grande alcance e se torna representativa. Não conhece a Sexlog? Bom, se você gosta de ver filmes pornôs caseiros, trocar mensagens, marcar encontros sexuais e outras atividades relacionadas, recomendo que participe. É grátis.

A pesquisa da vez tem a ver com masturbação, ou autoprazer, como a plataforma denomina. E traz dados curiosos sobre como os brasileiros se masturbam. Segundo o site, 68% dos homens entrevistados já bateram punheta na casa de um amigo. Entre as mulheres, 66,1% admitiram também terem se masturbado na casa de amigos. Apenas 5% do total de entrevistados admitiram ter praticado o ato no local de trabalho. Ou seja, parece que o povo fica bem excitado fora da própria casa, não é mesmo? Isso, no entanto, não representa a preferência da maioria e que foi só “uma emergência”. A preferência é mesmo o aconchego do próprio lar (59,7% dos homens e 69,3% das mulheres), onde podem se masturbar em paz.

a pesquisa mostra também a frequência da masturbação: 39,6% dos homens afirmaram que fazem todos os dias; 29,7% disseram se masturbar pelo menos três vezes por semana, enquanto 14,8% mantém uma frequência de duas semanais e 7,9% alegaram que uma só no mesmo período é suficiente. Aqueles que afirmaram ser raro se masturbarem são 8,5%.

Já as mulheres que praticam siririca diariamente são 24,4%, enquanto a maioria, 31.6%, afirmou que três vezes por semana é uma boa frequência. Aquelas que mantém o hábito de duas masturbações semanais são 17,5% e 10,1% revelaram que uma vez só é o bastante. E quanto àquelas que dificilmente se masturbam, o número é praticamente o dobro dos homens: 16,5%.

Brinquedos eróticos

As mulheres são campeãs no uso de sex toys, os brinquedinhos eróticos: 53,5% delas disseram que utilizam algum tipo de brinquedo às vezes; 22,1% falaram que sempre usam e 24,4% alegaram nunca terem tido contato. Já os homens, talvez ainda por desconhecimento de como é bom, não são fãs dos brinquedinhos: 78,5% alegaram nunca ter tido contato com algum toy, enquanto 19,8% usam de vez em quando e somente 1.6% contaram que fazem uso frequente dos brinquedinhos.

Quando o assunto é se masturbarem sozinhos ou acompanhados, 49.8% dos homens disseram que sozinhos conseguem ter liberdade para imaginar o que quiserem, 42,9% não ligam para esse detalhe e, para eles, tanto faz. E apenas 7,3% preferem acompanhados por acharem que a prática fica ainda mais gostosa. Entre as mulheres, 49% delas disseram que sozinhas ou acompanhadas o que importa é rolar. Aquelas que curtem fantasiar e soltar a imaginação sozinhas são 41.1%. E as que preferem, majoritariamente, estarem acompanhadas são 10%.

Um dado animador, apresentado pela pesquisa, é que 63,4% das mulheres não se sentem julgadas quando falam sobre o assunto ou que se masturbam. Porém, 31% delas disseram que já perceberam o julgamento, mas que não se importam. Enquanto isso, 5,5% confessaram que já foram julgadas e que, sim, isso as incomodou.

Gostou da pesquisa? Eu gostei, o resultado me deixou contente, principalmente porque percebi uma pequena diminuição no tabu de falar sobre masturbação, principalmente a feminina. Que ainda é julgada como “pecado”, quando deveria ser vista com naturalidade. Afinal, é através da masturbação que a mulher passa a conhecer melhor seu corpo, descobre o que lhe dá prazer e pode vir a exigir do parceiro o mesmo prazer que obtém sozinha. Só assim, podemos acabar com muitas inseguranças na hora do sexo.

Tem dúvidas? Mande sua pergunta para o email telma@olondrinense.com.br

Quem é Telma Elorza, a Tia Telma?

Jornalista, divorciada, xereta por natureza e que sempre se interessou muito por sexo. Com a vida, aprendeu várias coisas, mas a principal é que sexo é uma coisa natural e deve ser sempre prazeroso.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.