Skip to content

Deixem as mulheres envelhecerem como elas quiserem! Chega de etarismo!

Por Alessandra Diehl

Nesta “semana das mulheres”, gostaria de refletir um pouco essa palavrinha chamada etarismo que passamos a ouvir mais e mais nas redes sociais, principalmente quando uma mulher dita “madura” ou “mais velha” recebe comentários sobre sua aparência, sobre seu corpo, sobre sua pele com rugas, sobre o uso de roupas supostamente inadequadas para a sua idade, sobre estarem saindo com um carinha bem mais novo que ela ou sobre a cor de seu cabelo branco, apenas para citar alguns exemplos. Sim, tudo isso se chama etarismo, o nome que se dá ao preconceito contra pessoas com base em sua idade.

Mulheres mais velhas sofrem continuamente discriminação pela sua idade, principalmente num país como o nosso que ensina continuamente que o jovem que é desejavel. Isto está incorporado no fato dos corpos envelhecidos das mulheres serem culturalmente desvalorizados em sociedades ao redor do mundo que privilegiam a juventude e a hipersexualização de mulheres mais jovens e vistas como mais saudáveis.

Todas nós, mulheres, estamos sujeitas a disparidades de saúde ao longo da vida, devido a múltiplos fatores, tais como raça, nível socioeconômico, orientação sexual. Além do sexismo, o preconceito de idade e outras formas de discriminação estrutural e maus-tratos os quais têm sido associados a maiores riscos de violência sexual e traumas, bem como a problemas resultantes de problemas físicos, saúde mental e bem-estar geral.

Etarismo: exclusão social extrema

As mulheres mais velhas enfrentam frequentemente o dilema de tentar mascarar os sinais de envelhecimento ou envelhecer “autenticamente”, mas deparam-se com o estigma, o preconceito e a discriminação acrescidos de julgamentos e invisibilização. Isto ocorre principalmente com as mulheres da quarta idade que “não conseguem” envelhecer “com sucesso” e acabam ficando sujeitas a uma exclusão social extrema.

O argumento apresentado é que as experiências de não reconhecimento das mulheres mais velhas são fontes profundas de injustiça social. Muitas mulheres idosas falam que experimentam uma perda de visibilidade à medida que envelhecem. Esta é uma questão importante, uma vez que o reconhecimento (estatuto cultural e a visibilidade) é essencial para a justiça social.

São vários os espaços que isso acontece. Muitas mulheres desta faixa etária sentem-se malvistas como objetos de indesejabilidade sexual; “ignoradas” nos espaços de consumo, sociais e públicos; ou ainda, são relegadas ao papel de ser “avó”, isto é, vistas apenas através das lentes da suposta avó velhinha que deveria estar fazendo tricô ou ser tratada com condescendência e erroneamente consideradas incompetentes ou inaptas ao mercado de trabalho a vivência de sua sexualidade devido a sua idade.

Mulheres mais velhas também tem prazer! Isso mesmo! Não significa que ser mais velha necessariamente há uma sentença de não ter orgasmo, desejos e prazeres.

Por isso, vamos celebrar o dia de todas as mulheres! Vamos celebrar as mulheres de todas as idades e sobretudo respeitar e visibilizar os corpos de mulheres mais velhas e deixá-las envelhecer como bem elas quiserem! Chega de silenciamentos.

Alessandra Diehl

O etarismo discrimina a mulher mais velha, que é vítima de julgamentos por conta da sua idade e aparência

Psiquiatra, membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Drogas (ABEAD) e membro da Associação Paranaense de Psiquiatria (APPsiq). @dra.alessandradiehl

Leia mais matérias sobre Saúde

Foto: Freepik

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.