O Carnaval na França

Por Chantal Manoncourt

Dança, música, redemoinhos de confetes e serpentinas, bailes de máscaras e fogos de artifício, o Carnaval é uma tradição que continua para o deleite de miúdos e graúdos. Momento de festa e convívio, não esqueçamos que foi a velha Europa que o exportou para a América Latina.

Nice

Considerado o terceiro maior carnaval do mundo depois do Rio de Janeiro e Veneza, o carnaval de Nice é o maior da França. Dura cerca de 16 dias e acontece dia e noite com grandes desfiles incluindo as Cabeças Grandes. Com suas caricaturas de personalidades muitas vezes políticas, é sempre muito aplaudido. E este ano o de Putin não foi esquecido!

Outro momento tradicional muito aguardado é o desfile de corsi, carros alegóricos floridos onde jovens fantasiadas oferecem ramos de mimosa, a flor emblemática da região, para a famosa Batalha das Flores.

carnaval

Dunquerque

O carnaval de Dunquerque é sem dúvida um dos mais originais. Foram os pescadores de bacalhau que o iniciaram. De fato, todos os anos antes do início de suas longas campanhas na Islândia, eles comemoravam. Hoje, a tradição ainda está muito viva e o carnaval de Dunquerque dura cerca de um mês. Todos participam desta alegre festa e se misturam com os músicos de capas de chuva amarelas e a “banda de pescadores” brandindo seus guarda-chuvas multicoloridos. No final do dia, segundo o costume, a multidão é bombardeada com arenque da sacada da prefeitura.

Moulins

Na cidade de Moulins, um carnaval completamente diferente espera o visitante. A cidade abriga um museu original, o Centro Nacional de Trajes de Palco, e a exposição atual é sobre o carnaval carioca! Considerado o maior espetáculo do mundo, o espectador mergulha no coração desse excepcional patrimônio vivo graças a trajes suntuosos e desenhos muito coloridos.

A origem e a história do carnaval são muito bem contadas, suas influências estrangeiras com a herança africana, indiana e até francesa que se distingue por trajes de estilo histórico, elegantes, cortados em cetim e tecidos brilhantes, enfeitados com renda e bordados com lantejoulas.

Acessórios como luvas, gorros e perucas volumosas acompanham esses conjuntos e testemunham seu uso na corte francesa. As referências reais são muitas vezes escolhidas para encarnar a França com a presença do hábito francês, ou a crinolina para as baianas.

Além dos figurinos, as inspirações francesas são inúmeras nos desfiles das escolas de samba, como os temas em homenagem à França, seja Acadêmicos do Grande Rio, em 2009, com o refrão: Liberté, Egalité, Fraternité. Ou mesmo a São Clemente, em 2017, cujo tema foi Onisuaquimalipanse (Honni soit qui mal y pense) que significa   Envergonhe-se quem pensar mal disso.

Paralelamente acontecem conferências, exibições de filmes, espetáculos, animações, oficinas de decoração e criação para crianças com penas e lantejoulas ao som do samba, um programa alegre mas sobretudo um convite a viajar pela Cidade Maravilhosa.

A exposição do Carnaval do Rio fica em cartaz até 30 de abril de 2022.

C´reditos das fotos:

Carnaval de Nice: Ville de Nice 

Carnaval de Dunkerque: Ville de Dunkerque

Carnaval de Moulins: CNCS/Florent Giffard

Chantal Manoncourt

Parisiense, arqueóloga e jornalista, apaixonada pelo Brasil, já escreveu vários livros sobre turismo brasileiro

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.