Skip to content

Que o seguro nos guie, na terra e para o céu

Por Vander Cardoso

Como católico, domingo fui à missa. O texto do evangelho do dia dizia, segundo Mateus; “Ficai de sobreaviso, vigiai; porque não sabeis quando será o tempo…Vigiai, pois, visto que não sabeis quando o senhor da casa voltará…para que, vindo de repente, não vos encontre dormindo. O que vos digo, digo a todos: vigiai!”. Aproveito, pois, para ligar estas palavras ao princípio do seguro: previdência. Aqui, previdência no sentido de prevenção. Importante é que estejamos alerta. Claro que o texto bíblico diz respeito às questões espirituais. No entanto, se desejamos paz, é necessário que pensemos, antecipadamente, nas tantas possibilidades de atribulações.

Nossa casa, nosso lar, é onde, geralmente, depositamos tudo aquilo que usamos no dia a dia. Nesse conjunto de coisas estão nossos instrumentos de trabalho, nossas ferramentas domésticas, nossas roupas, nossas lembranças. Perdê-los significa, além da raiva, aflição e contratempos imediatos. A saída, óbvia, está na contratação de um seguro residencial. A apólice pode garantir a reposição dos bens, além do conserto dos danos provocados ao imóvel por ocasião do furto. Com o seguro temos mais tranquilidade quando estamos ausentes, por viagem, em férias ou mesmo trabalho.

Essa paz pode, também, estar no seguro do carro. Pela experiência do trabalho na corretagem de seguros, posso garantir que uma simples colisão pode trazer muitas dores de cabeça. Uma pequena distração no trânsito é suficiente para atingirmos terceiros, que poderão se machucar. Mesmo que não haja danos corporais, os materiais já bastam para desencadear os traumas.

Seguro: tranquilidade

Imagine, então, se a moto ou carro colidido são usados para o trabalho. Não há como negar a extensão da responsabilidade aos lucros cessantes provocados. É nessas horas, até pela necessidade do terceiro, que a chateação começa. Justamente, as pessoas necessitam garantir uma renda mínima, quando seu bem, ferramenta de trabalho, está encostado para conserto. Novamente o seguro pode ser a solução. A apólice de seguro do veículo, com cobertura para responsabilidade civil, abrange esses danos e indeniza o reclamante, dando tranquilidade ao segurado. Temos, então, a demonstração da necessidade de também nos preocuparmos em vigiar nossos bens terrenos.

Fica clara que a lição de Jesus para que o homem permaneça atento, vigilante, busca alertar-nos para fazermos o bem, sempre. Se queremos abrir as portas do céu, é preciso construirmos o caminho todos os dias. Para tanto, estarmos tranquilos, em paz, colabora muito para que nossas ações sejam as melhores. Cabeça quente, repleta de preocupações, distrai-nos e pode nos desviar das boas ações. Portanto, é possível concluir que os seguros podem nos ajudar nisso. Ao contratarmos apólices, garantindo nossos bens na terra, estaremos protegendo nosso patrimônio, além de, quem sabe, encurtando o caminho para o céu. Assim, fique alerta. Não busque atalhos. Contrate seguros. Converse com seu corretor. Fique com Deus.

Vander Cardoso

Vigiai suas ações, mas faça seguro para garantir sua tranquilidade. Cabeça quente, repleta de preocupações pode desviar o caminho

Formado em Administração pela UEL e em Economia e Contabilidade pela Unopar. Pós graduado em Marketing, tem MBA em Estratégia Empresarial pela USP. Atua no ramo de seguros desde 1990, tendo sido gerente comercial em várias seguradoras, nacionais e  multinacionais. Atualmente é professor universitário e sócio-administrador da Max Line Corretora de Seguros. Fone (43) 3027-2707, cel (43) 999573708. Site: www.maxlineseguros.com.br Instagram @maxlineseguros

Leia mais colunas Mundo Seguro

Foto principal: Freepik

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.