Skip to content

Marche: 15 fatos interessantes sobre essa região vinícola da Itália

Falamos a semana passada sobre a Região do Marche, suas províncias, seus vinhos e sua história.

Mas também há algumas curiosidades sobre essa região que você vai gostar de conhecer. Confira:

Com mais de 52 variedades de uvas cultivadas, sendo 30 delas autóctones, a região possui como símbolo o vinho Verdicchio, exemplar com sabor seco e harmonioso, que apresenta uma coloração palha com reflexos verdes. A principal província da área vinícola responsável pela elaboração desses rótulos é Ancona e algumas partes de Maceratta, que cultivam as variedades corretas das uvas utilizadas para a produção da bebida. A importância do vinho Verdicchio é tão grande para Marche que o exemplar é um dos vinhos brancos mais premiados de todo o país.

15 fatos sobre Marche

Monte Vettore é de grande altura, 2.476 m. As montanhas de Le Marche são compostas principalmente de calcário e são conhecidas por seus picos nus, inúmeras cavernas, torrentes e desfiladeiros dramáticos, sendo os mais famosos Furlo, Rossa e Frasassi.

Os sapatos italianos são conhecidos por serem especiais devido à sua alta qualidade e luxo de alto padrão, e do “made in Italy” nas solas de couro. Marche é o berço desse antigo ofício.

Ancona é  um dos principais portos do mar Adriático. É especialmente popular com o tráfego de passageiros. Há travessias diárias de balsa de Ancona que chegam a vários portos na Croácia, Albânia, Grécia e Veneza.

Marche é uma das regiões italianas que mais se dedica à valorização das uvas autóctones, com resultados positivos. Além da uva Verdicchio, resultados promissores também estão dando com as uvas Pecorino e Passerina. Até mesmo variedades de uvas escuras teve um sucesso considerável, em particular Lacrima di Morro d’Alba e Vernaccia Nera;

Os produtores mantiveram o plantio de uvas locais e não plantaram em grande escala outras variedades internacionais, embora isso lhes rendesse menos dinheiro.

Olive all’ascolana é um prato típico da cidade de Ascoli Piceno em Marche, que se originou em meados do século XIX. O prato provinciano utiliza azeitonas verdes Ascolana Tenera. As azeitonas são recheadas com carne moída, empanadas, fritas e servidas como aperitivo. Você pode encontrar em grande parte da Itália, pois é um petisco que já faz parte das mesas de boa parte da Itália.

Castelo de Gradara é uma fortaleza medieval protegida por duas muralhas. É um dos monumentos mais visitados de Marche. O castelo está ligado a rixas entre as famílias Malatesta e Montefeltro. Mas foi a divina comédia de Dante que transformou este castelo em um símbolo de amor.

Monte Conero, também conhecido como Monte d’Ancona, é o único ponto alto da costa do Adriático em Marche. Acredita-se que seja uma montanha oca com cerca de 150 cavernas e fendas. Muitas das cavernas têm lendas associadas a elas. Por exemplo, a caverna romana é assombrada por escravos que tentaram se revoltar. Em vez disso, eles foram assassinados a sangue frio.

As Cavernas Frasassi – Grotte di Frassasi, a 40 km a oeste de Ancona, estão entre as cavernas turísticas mais famosas da Itália. Eles foram descobertos em 1971 e têm várias câmaras nomeadas.  A primeira câmara descoberta foi a Grande Caverna do Vento. As cavernas têm 18 km de comprimento, mas uma trilha de 1,5 km foi aberta para ser explorada para turismo. Ainda há uma sala chamada “das Velas”, pois possui estalagmites semelhantes a velas.

Castelfidardo é a capital internacional dos construtores de fisarmonica, ou em português, acordeão, ou sanfona. A indústria do acordeão decolou no final de 1800 e a tradição continua até hoje. Existem atualmente cerca de 40 empresas que fazem a sanfona na região. A maioria dos acordeões de Castelfidardo são feitos à mão e procurados por músicos famosos em todo o mundo.

Sob a cidade de Camerano, encontra-se um complexo labirinto de cavernas de arenito. Inicialmente, acreditava-se que haviam sido construídas como uma série de salas de armazenamento, conforme a exploração avançava, as cavernas revelaram um nível de complexidade que levou os arqueólogos a deduzirem que deviam hospedar pessoas em vez de mercadorias. Eles podem ter fins religiosos, como as primeiras catacumbas cristãs, ou podem ter sido criados como acomodação de curto prazo para a população local em caso de ataques externos.

A cidade de Osimo (foto principal) tem uma outra cidade subterrânea complexa. Cerca de 2.500 anos atrás, os povos antigos começaram a cavar a colina em profundidade para fazer caminhos defensivos, passagens secretas e para sobreviver. O propósito original da cidade subterrânea ainda é um mistério. Algumas pessoas acreditam que foram um campo de treinamento ou local de ritos de iniciação de antigas ordens religiosas.

A invenção do papel costuma ser atribuída aos chineses, mas na verdade foram os árabes que, depois de aprender as técnicas e fazer alguns aprimoramentos, espalharam o produto pelo ocidente. Foi um processo longo e árduo que se completou no século 13 em Fabriano, uma pequena cidade do interior de Marche. A razão desta localização, que fez de Fabriano o mais importante pólo papeleiro da Europa, está provavelmente ligada à proximidade do Porto de Ancona, particularmente aberto para o comércio com o mundo árabe.

Além dos maravilhosos vinhos, a região de Marche, na Itália, também guarda segredos históricos. Conheça 15 fatos sobre ela

Em Sassocorvaro ocorreu uma história que merece ser contada, é a do resgate de mais de 10.000 obras de arte na Rocca di Sassocorvaro, durante a Segunda Guerra Mundial. Para proteger obras-primas importantes, o superintendente de Urbino escolheu uma das fortalezas mais majestosas da região para guardar um patrimônio artístico sem limites: a ideia deu certo.

Edmilson Palermo Soares

Enófilo, sócio proprietário da Confraria da Taverna, loja de vinhos e espumantes que traz novas experiências no mundo do vinho, estudioso e entusiasta, com conhecimento prático provando vinhos de mais de 20 países e diversas uvas desconhecidas do público em geral. Me siga nas redes sociais: no Instagram @contaverna, Facebook Confraria da Taverna e Linkedin

Leia todas as colunas do Mundo do Vinho

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.