Skip to content

Dia Nacional do Vinho: vamos comemorar…

Por Edmilson Palermo Soares

O Dia Nacional do Vinho no Brasil é celebrado no primeiro domingo de junho. Este ano, em 2024, a data caiu no dia 2 de junho.

A criação da data aconteceu através do Projeto de Lei nº 2.611/2004, com o objetivo de valorizar a cultura do vinho no Brasil, além de promover o consumo de produtos nacionais.

Em 2015, o Senador Lasier Martins encaminhou a tramitação e, em 2017, foi aprovado.

As primeiras videiras trazidas ao Brasil datam possivelmente de 1532, a partir da expedição colonizadora de Martim Afonso de Souza. Brás Cubas, fundador da cidade de Santos, é, reconhecidamente, o primeiro a cultivar a vinha em nossas terras, porém não teve sucesso inicialmente, tendo transferido as plantações para o interior, sendo apontado a cidade de Taubaté como a primeira a ser bem-sucedida nesta cultura.

No Sul do Brasil, foram as missões jesuítas que iniciaram o cultivo das vinhas por volta de 1626 e foram praticamente perdidas após a expulsão dos mesmos pelos Espanhóis.

Foi somente com o fim da escravatura no Brasil que os imigrantes europeus voltaram a cultivar uvas no Rio Grande do Sul e, assim, desenvolver a nossa Vinicultura.

O Dia Nacional do Vinho foi comemorado no último domingo (2). Você sabia que o Brasil produz vinhos de ótima qualidade? E que 90% da produção nacional está no Rio Grande do Sul?
Foto: Vinícola Miolo/Divulgação

O Rio Grande do Sul é responsável por 90% da produção nacional de vinhos.

Hoje, praticamente todos os estados do Brasil produzem vinhos de boa qualidade, sendo muitos desses premiados internacionalmente.

A região da Serra da Mantiqueira ganha o destaque após produzir colheitas de inverno, possível através de técnica desenvolvida pela Embrapa, conhecida como “Dupla Poda”.

Estados da Bahia e Pernambuco, no Vale do São Francisco, também são destaques nacional e internacional.

Montagem de Edmilson Palermo Soares

Entraves ao vinho nacional

Um dos maiores entraves competitivos do Vinho Nacional é a questão tributária pois, na maioria dos países do mundo, tributariamente o vinho é classificado como alimento e, por aqui, ele é taxado como bebida alcoólica, com percentuais que chegam a 82% para o consumidor final.

Foi com a abertura as importações do ex-presidente Fernando Collor que tivemos a possibilidade de ter um maior conhecimento sobre diversos países e provar um pouco de tudo.

Podemos ver hoje que o interesse sobre o vinho tem aumentado, principalmente na época da pandemia, onde as pessoas passaram a se interessar por vídeos, podcasts e publicações sobre o assunto.

Existe um preconceito muito forte com o vinho nacional, mas as pessoas começam a conhecer estes vinhos, principalmente com o aumento das atividades de enocultura por todos os cantos, os Clubes de Vinhos e as Confrarias que compartilham informações e experiências.

Que tal dar uma maior oportunidade ao vinho nacional?

Um brinde!

Foto principal: Vinhedos em Bento Gonçalves (RS)/Portal Guia Bento

Edmilson Palermo Soares

Enófilo, sócio proprietário da Confraria da Taverna, loja de vinhos e espumantes que traz novas experiências no mundo do vinho, estudioso e entusiasta, com conhecimento prático provando vinhos de mais de 20 países e diversas uvas desconhecidas do público em geral.

Me siga nas redes sociais: no Instagram @contaverna, Facebook Confraria da Taverna e Linkedin. Whatsapp (43)3324-1842.

Leia todas as colunas do Mundo do Vinho

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.