Mulheres artistas: Maria Martins

Maria de Lourdes Alves Martins nasceu em 7 de agosto de 1894 em Campana, Minas Gerais e morreu aos 78 anos, em 27 de março de 1973 no Rio de Janeiro, RJ. Maria estudou música e pintura logo cedo e, após seu segundo casamento com o embaixador do Brasil Carlos Martins Pereira e Souza, foi para Paris aonde estudou escultura em madeira e, no Japão, em terracota, mármore e cera perdida. Foi escultora, desenhista, pintora, gravurista, escritora e musicista.

Foto: Reprodução da internet

Maria e Carlos tinham um relacionamento aberto, mas eram muito companheiros e se apoiavam incondicionalmente. Em Paris, ela foi apresentada a Andre Breton, artista que escreveu o manifesto surrealista e, consequentemente, foi apresentada a todo grupo surrealista da época… Ela tornou-se se uma das maiores surrealistas brasileiras, tendo sido conhecida inclusive como a “Frida Kahlo do Brasil”.

Foi amante de Marcel Duchamp, surrealista e dadaísta, Benito Mussolini (sim! O ditador!), amiga de Pablo Picasso e de Mondrian. E entrevistou Mao Tsé tung! Imaginem que isso era quase impossível para uma mulher naquela época, conseguir uma entrevista com Mao!

Sua primeira individual foi em 1941 em Washington e, no mesmo ano, expôs em Paris e Rio de Janeiro. Fixou atelier em NY e teve uma de suas obras adquiridas pelo Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (o MOMA). Depois disso , seus caminhos se abriram para o mundo!

Um de seus mestres mais importantes foi Oscar Jesper, de quem aprendeu escultura em bronze, em Bruxelas, Bélgica. Maria começou a utilizar o bronze como seu material predileto nas esculturas. Nos anos 50, voltou para o Brasil e participou de todas as bienais de São Paulo, ajudando inclusive na organização do evento.

Foto: Reprodução da internet

Em 1955, sua obra “A soma dos dias” foi premiada na Bienal. Maria Martins foi reconhecida sobretudo no exterior, aonde fez exposições diversas e suas obras estão em acervos importantes!

O que dizer de uma mulher tão avançada para sua época como essa? Quantos aqui conhecem a obra e sua história?

A escultura é uma das técnicas mais difíceis dentro das artes plásticas e, sem desmerecer ninguém, mas em cada 10 pintores e desenhistas, surge um escultor (mais ou menos, ok, pessoal?). Passar ideias, sentimentos e sensações através do tridimensional não é fácil… E que época maravilhosa, de efervescência cultural ela viveu! Diziam que “tudo acontecia em Paris” e todos os grandes artistas da época, de uma forma ou outra,  acabavam se encontrando por lá!

A soma dos dias -Foto: Reprodução da internet

Muitas informações acabam se perdendo, o que fica é a obra realmente, essa conta sua própria história! Se ficaram curiosos, deem uma olhada nas biografias de cada personalidade histórica que citei aqui, assim talvez vocês possam mensurar a importância das obras dessa grande artista e o respeito que seus colegas artistas tinham por ela e sua obra!

Boa semana de frio, fiquem bem e quem puder doe roupas de frio e ajudem os animaizinhos que estão nas ruas! Solidariedade é bom para todo mundo! Mais empatia por favor!

Angela Diana

Foto: Ana Paula Barcellos


Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Foto: Canto da Noite/ Reprodução/Itamaraty

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *