Skip to content

Conheça a marca holandesa que cria peças de roupa com cabelo humano

Por Ana Paula Barcellos

Já se imaginou usando uma roupa feita com cabelo humano? A ideia parece inusitada, polêmica, mas também é muito sustentável. É o que garante a criadora da marca Human Material Loop, fundada em 2021 e sediada na Holanda, e que vem ficando conhecida pela matéria prima utilizada na confecção de suas peças: cabelo humano que seria descartado.

LEIA TAMBÉM

Por mais que pareça estranho, a lógica é a mesma das roupas de lã: também é um material natural, possui uma qualidade tão boa quanto a lã e mesmo as fibras sintéticas. Em termo de sustentabilidade, ganha disparado – tanto das concorrentes de origem animal quanto artificiais –: a sustentabilidade é muito superior!

Zsofia Collar, a designer por trás dessa iniciativa inovadora, diz que o cabelo humano retém calor – logo as peças aquecem bem nos dias mais frios -, são antibacterianos, hipoalergênicos (não causam alergia, diferente de alguns tipos de lá) e é muito durável!

E este é um dado que não pode ser refutado: sabe-se que o fio de cabelo humano, sozinho, aguenta quase 3 quilos de peso; já todos os fios da cabeça juntos suportariam quase 2 toneladas! Em termos de durabilidade, um fio pode durar de 2 a 7 anos se considerarmos seu ciclo de vida na nossa cabeça. Mas um fio depois que cai ou é tirado pode durar até 40 anos! Esses dados estão disponíveis no site do Wella Institute.

A marca holandesa  Human Material Loop se propõe a fazer peças de roupas com cabelo humano. Você usaria?

Por essas razões, o cabelo humano representaria uma alternativa altamente sustentável para a produção de roupas. E, sinceramente, não consigo pensar em opção mais sustentável que um material que você mesmo produz no seu corpo. Para mim, isso sim é alta tecnologia!

Ok, essa não é a primeira vez que alguém confecciona peças de roupa com fios de cabelo. Temos alguns exemplos inclusive na alta costura e, para mim, o mais emblemáticos deles incluem algumas das criações da primeira fase de Alexander McQueen, que criou peças confeccionadas com mechas de cabelo.

É ético usar cabelo humano para criar peças de vestuário?

Claro, o uso de material humano para a confecção de roupas gera, além de incômodo, todo um debate ético: de onde vem esse material, quem fornece? No caso da designer holandesa, Zsofia esclarece que utiliza apenas cabelos descartados nos salões de beleza, pois assim é possível rastrear sua origem do início ao fim. Os suéteres da marca são confeccionados com cabelo loiro 100% reciclado adquirido em Amsterdã, confeccionados lá mesmo na Holanda.

A marca possui site e Instagram (@humanmaterialloop), mas os suéters não se encontram à venda. Também não está disponível qualquer informação sobre valores: quanto custa confeccionar uma peça com esse tipo de matéria prima, qual seria o valor de mercado, o valor para o consumidor final. Fiquei intrigada com isso, e difícil acreditar que seria uma peça com preço acessível para o público geral.

E claro, impossível não pensar na parte estética. Talvez fosse o caso de ver peças fabricadas com outros tipos e cores de cabelo, mas esses suéteres disponíveis nesse tom de loiro não me agradaram nem um pouco. Achei feios, mesmo! Não é algo que usaria. E, sim, é esquisito pensar em usar uma roupa criada com os fios do cabelo de outra pessoa, mas usamos fibras de origem animal e isso não é um problema, né? Costume. Talvez fosse mais fácil começar com uma peça feita com meu próprio cabelo. Ou não, a ideia continua parecendo estranha. Tenho muito o que descontruir a respeito disso.

E você, usaria uma roupa confeccionada com cabelo humano?

Ana Paula Barcellos

Viciada em botas, sacoleira e brecholenta, trabalha com criação de joias artesanais e pesquisa de tendências. Tem foto da Suzy Menkes na estante e escreve essa coluna usando pijama velho, deitada no sofá enquanto toma café com chocolate. Me siga no Instagram @yo.anap e @experienciasdecabide

Foto principal: Pinterest

Leia todas as colunas Em Alta

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.