Skip to content

Para o eleitor, o que vem primeiro? Propostas ou posicionamento?

Por Marcelo Fabrão

Mesmo que você seja uma marca política forte, o eleitor sempre será o protagonista. Com tantos ruídos que existem no mundo, isso tem feito com que as pessoas busquem por marcas com propósito específico. Veja só, toda eleição é inundada de candidatos que oferecem propostas e valores semelhantes uns dos outros, dentro de mesmo tema: apoio ao movimento LGBTQIA+, descriminalização da maconha, liberdade religiosa, liberalismo econômico, igualdade social e outros tantos. São muitas opções, muitos ruídos.

Mas repare, em cada uma dessas bandeiras ou nichos, há sempre uma marca que se destaca. E como eleitor, confiamos nessas marcas. Nós aguardamos ansiosos suas opiniões, ideias, propostas e ações.

Mas por que algumas marcas conseguem se destacar em meio a tantas opções e ruídos e outras não?

Construindo um posicionamento de marca forte que incorpore seu propósito

O eleitor deseja votar em candidatos que estejam alinhados com seus valores. É por isso que algumas marcas se destacam das outras, porque entenderam que se diferenciar da concorrência é fruto de um trabalho de posicionamento estratégico de marca, que alinha reputação e propósito. Essa coerência entre o que eu sou com o que eu faço e o por que eu faço, tem feito o eleitor decidir pelo político “A” ao invés do “B”.

Infelizmente, a grande maioria dos políticos ainda buscam conexão com o eleitor comunicando apenas suas propostas e embalando-as em discursos vazio e populistas. “Se eu for eleito, essa cidade vai ter um hospital de verdade”.  “Quando eu for prefeito, vamos construir uma creche em cada bairro ”. “No primeiro ano do meu mandato, vamos trazer industrias para gerar X novos empregos”.

O cidadão se cansou disso. O eleitor quer alguém que o ouve de verdade e saiba do que ele precisa. Que se posicione como quem, de fato, vai resolver seu problema. As propostas são importantes, mas elas precisam estar alinhadas com o posicionamento de marca do político.

Posicionamento de marca é pensar no diferencial

Já disse outras vezes por aqui, que não adianta o candidato dizer que é melhor do que seus oponentes e não demonstrar que é. Não adianta falar que vai fazer creches, hospitais, trazer indústrias e o escambau se o eleitor não acredita que ele seja capaz de cumprir o que diz. É preciso trabalhar este alinhamento entre reputação, imagem, propósito e comunicação. Branding é a engrenagem desse alinhamento.

Notem que as pessoas estão cada vez mais atentas aos discursos das marcas e percebendo as verdadeiras intenções por trás, que podem vir impactá-las. Posicionamento de marca é a maneira mais verdadeira de se conectar com quem está alinhado ao propósito da marca e atrair um público cada vez mais fiel, que irá contribuir positivamente para campanha ou mandato.

O posicionamento de marca na esfera política é um tema novo, mas relevante e complexo. Por isso políticos devem se posicionar com base em princípios claros e coerentes, visando convergência e alinhamento de ideias. Uma pesquisa da Accenture Strategy aponta que 83% dos consumidores brasileiros preferem comprar de empresas que defendem propósitos alinhados aos seus valores de vida. Não se engane achando que esses dados não refletem no comportamento do eleitor na hora de decidir em quem votar. É indispensável que políticos unifiquem seu discurso para estarem alinhados aos princípios, valores e conceitos que representam.

Resumindo

Posicionamento de marca vem primeiro, propostas vem depois. Construa seu discurso baseado no seu posicionamento e não o contrário. De forma bem resumida, o posicionamento de marca é a maneira como o político é percebido pelo cidadão. Através disso, é possível se destacar da concorrência, conquistar a confiança do eleitor e até mesmo conquistar o seu voto.

No entanto, para criar um posicionamento de marca consistente é preciso conhecer a fundo as necessidades e motivações do seu público, analisar as estratégias dos concorrentes e mostrar as qualidades diferenciadoras da sua marca, campanha ou mandato. O posicionamento mora nos detalhes.

Todo eleitor passa por uma jornada pessoal, antes, durante e pós o voto. Nessa jornada, o público terá acesso a diversos pontos de contato dos candidatos, e cada detalhe é somado na construção da imagem de marca na cabeça dele. Pense nisso!

Sobre mim

O eleitor vota em candidatos que estejam alinhados com seu valores. Por isso, é preciso se diferenciar da concorrência com trabalho de posicionamento

Meu nome é Marcelo Fabrão. Sou marqueteiro político há 16 anos. Casado, pai de dois meninos lindos, Filipe Lucas e David Luiz. Amo filmes, séries, rock, fotografias, bateria e Muay Thai. Em 2020, no meio daquela pandemia infernal, percebi a importância do branding na estratégia de comunicação eleitoral e me tornei um estrategista de marcas com o propósito de ajudar políticos a se transformarem em marcas sinceras e atuais. Além de consultor de Marketing Político e Branding, sou diretor de um Instituto de pesquisa e da agência Fabbron. Me siga no Instagram @marcelorfabrao e no Linkedin 

Leia mais coluna sobre Marketing Político

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.