Gratidão ao O Londrinense jornal!

Por Rogério Rigoni

Fala, meninas e meninos do ROCK!

Como não agradecer a esse grande jornal virtual?

Está valendo demais, toda quarta-feira sai minha matéria o DNA do Rock, onde posso escrever sobre o que mais gosto, música, bandas e o tão amado “undeground”.

É um prazer imenso sentar na frente do PC toda terça-feira e escrever a matéria do dia seguinte.

Ainda me lembro com grande alegria quando a Telma Elorza, uma das sócias do jornal, entrou em contato com minha esposa, perguntando se eu toparia escrever uma coluna de rock para o jornal. Eu fiquei tão feliz com esse convite que fiquei até emocionado. Como não deu certo eu ter uma banda de rock, o universo me deu esse presente de escrever “sobre”.

Já foram tantas matérias que nem me lembro quantas, umas maravilhosas outras nem tanto, isso eu tenho que admitir, pois não sou jornalista e tão pouco sou formado em alguma coisa, mas a vida é uma surpresa e eu faço o melhor que posso. Já cometi erros e isso é normal, sou um ser humano, né? Confesso que, com esses erros, eu tive vontade de parar de escrever a coluna, mas sou persistente e não podia deixar isso me abalar, engoli a suposta derrota e bola pra frente.

Lembro de uma matéria sobre a banda “Gritando HC”. Cara, eu entrei em contato com a Lê (vocalista) e ela super atenciosa me enviou o material que eu precisava para a tão esperada matéria, pois sou fã da banda. Depois de revisar a matéria, tanto eu como minha esposa, enviei a mesma para Telma montar a coluna e quando saiu a matéria, a Lê me mandou uma mensagem por whatsApp falando: Rogério, achei um erro, faltou um número no ano. Tipo, o ano era 1992 e saiu “199”, aquilo acabou comigo! Como esse erro foi passar? Estava tão na cara, que nem eu nem a Ângela vimos. Pedi mil desculpas para a Lê e para a banda e falei para ela nem divulgar a matéria.

Outro erro foi com a banda “Ovos Presley” que iria completar 30 anos de banda e na parte dos festivais que o Wallace (guitarrista) promovia, a parada ficou meio confusa e, depois que a matéria vai para o ar, fudeu. Pedi desculpas e falei para ele esquecer essa matéria, nem precisaria divulgar.

Outra matéria foi dos meninos do Monotônicos. Essa foi foda, bem no título eu coloquei: Monotônico, sem o “S”, ainda bem que os caras foram super gente boa, entenderam, agradeceram e ainda divulgaram. Gratidão meninos pela compreensão.

De bandas escrevi mais algumas, Klitores Kaos, Crush All TyrannY, Time Bomb Girls e a última foi da Eixo Kardan, de Cruzeiro do Oeste. E foi a última mesmo! A partir desse dia prometi a mim mesmo que não escreveria mais sobre uma banda especifica, porque só estava dando merda.

Então resolvi mudar, ao invés de escrever sobre uma banda eu iria fazer matérias citando as próprias. Parece que está dando certo, devagar vou descobrindo meu jeito de escrever, respeitando minhas limitações.

E como vocês já devem ter percebido, eu falo bastante sobre o underground, a cena que merece o maior respeito, pois todos se ajudam, sem competição, sem estresse, sem paranoias. Eu também sou um cinquentão underground e tenho o maior orgulho positivo disso.

Adoro Punk Rock, Crossover, Hard Core, Rock and Roll e estou aprendendo a escutar outros estilos musicais aos quais eu torcia o nariz, menos funk e sertanejo, isso ninguém merece, nunca!

Além da Telma e da Mirella, gostaria de agradecer a todos os leitores da coluna e fãs do O Londrinense jornal, além dos leitores assíduos do DNA do Rock, né, Sylvestra Bianchi (Que acabou de lançar seu mais novo single “Sons Of The Blue Ray”)? Liliam! E outros tantos que não tenho noção que estão acompanhando minha humilde coluna, mesmo com meus erros e acertos, amo vocês. E claro, mais uma vez a “Cena Independente Autoral” o famoso underground, sem vocês essa coluna não existiria.

Gratidão a Duda Victor, pelo apoio e incentivo. Beijo Ilka Elorza! Eterna companheira de Duda.

E assim vou encerrando esta coluna e mais uma vez GRATIDÃO a TODOS!

Que vocês tenham um excelente resto de semana e muito underground na veia!

E claro, gratidão a minha esposa Ângela Rigoni pelo amor e minha maior incentivadora além de ser minha melhor amiga, além de ser meu grande e eterno AMOR!

BORA PRO ROCK!

Rogério Rigoni

Foi comerciante a vida toda, se rebelou e assumiu seu lado de escultor. A música que sempre foi sua paixão! Rock and roll na vida e na arte!

Foto: Print de vídeo

Compartilhar:

2 Comentários

  1. Parabéns pelo trabalho, Rogério! Muito legal a forma que você escreve a coluna do Rock! Continue que está excelente!!!!

  2. Gratidão por apresentar o Rock Cósmico na coluna e parabéns pelo trabalho! Viva o Rock!!!! Sylvestra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.