Skip to content

Diversão ou vício? Desvendando os sinais de alerta para pais e responsáveis

Por Robson Moretão

Olá pessoal! Hoje, vamos desbravar o universo dos games e seus efeitos na vida das crianças e adolescentes. Um tema que gera dúvidas, preocupações e, muitas vezes, incertezas nos pais e responsáveis. Será que o lazer dos nossos filhos se tornou uma questão de saúde?

O estudo TIC Kids On-line, de 2023, revela que 42% das crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos já fazem parte da comunidade gamer, jogando on-line com amigos todos os dias ou quase todos os dias. Entre os pequeninos de 9 a 10 anos, esse número sobe para 59%, enquanto na faixa dos 15 aos 17 anos, 55% confessam se aventurar pelo mundo virtual.

Uma porta para o aprendizado e crescimento?

Para a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), “os games podem ser mais do que simples diversão. Eles podem ser ferramentas poderosas para o aprendizado, ensinando a lidar com vitórias e derrotas, persistência e superação. Através dos jogos, nossos filhos podem viajar para novas culturas, conhecer a história e até mesmo aprimorar seus conhecimentos em línguas estrangeiras”. Palavras do neurologista Eduardo Jorge Custódio da Silva, em uma entrevista para o site Estadão.

Mas, como em tudo na vida, o equilíbrio é fundamental. A SBP reforça que, quando utilizados de forma adequada, os games não prejudicam as relações familiares nem o desempenho escolar. O problema surge quando o limite se perde e o exagero toma conta. Nesses casos, os jogos podem trazer consequências negativas como distúrbios do sono, sedentarismo, problemas de humor e até mesmo o chamado “gaming disorder“, uma dependência do uso recorrente e persistente da internet para jogos.

Pais e responsáveis, identifiquem os sinais de alerta:

A boa notícia é que a Organização Mundial da Saúde (OMS) nos dá uma mãozinha para identificarmos o problema. Na 11ª revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças (CID-11), o “gaming disorder” foi reconhecido como um distúrbio de saúde mental. 

“Um dos mais importantes princípios desta revisão foi simplificar a estrutura de codificação e ferramentas eletrônicas. Isso permitirá que os profissionais de saúde registrem as condições de forma mais fácil e completa”, afirma Robert Jakob, líder da equipe de classificação de terminologias e padrões da OMS.

Para caracterizá-lo, é preciso que três comportamentos centrais estejam presentes por pelo menos 12 meses, de forma persistente e recorrente:

  • Perda de controle: o adolescente joga por mais tempo do que o planejado e não consegue parar quando deveria.
  • Aumento de prioridade: os jogos se tornam mais importantes do que outras atividades essenciais, como dormir, se alimentar, estudar e socializar.
  • Aumento da atividade: mesmo diante dos prejuízos familiares, sociais, educacionais ou em outras áreas, o jovem continua jogando compulsivamente.

Diálogo e orientação

A psicóloga Luiza Brandão, especialista em Psicologia Clínica pela USP, nos lembra que o diálogo é a chave para uma relação saudável com os games. Converse com seus filhos sobre esse hobby, incentive-os a explorar novos jogos, mas sempre com cautela na hora da escolha. Estabelecer regras e limites de tempo de tela também é fundamental para um uso equilibrado.

Veja alguns conselhos valiosos da SBP sobre o mundo dos jogos:

  • Jogar não é desperdício de tempo; pode ser uma fonte de diversão e aprendizado. Além disso, os jogos podem ser uma ferramenta educativa poderosa.
  • Os jogos podem unir diferentes gerações, permitindo que os adolescentes sejam os guias para os adultos que não cresceram na era digital.
  • Ao lidar com alguém que possa estar tendo problemas com os jogos, é crucial evitar julgamentos e não diminuir a importância do passatempo para essa pessoa.
  • É essencial prestar atenção à classificação etária e ao conteúdo dos jogos, pois nem todos são apropriados para todas as idades.
  • Lembre-se de que a classificação etária não substitui o cuidado parental; a comunicação aberta é sempre a melhor abordagem.

Juntos, podemos construir um futuro digital mais positivo e saudável para as nossas crianças e adolescentes!

Compartilhe este blog com seus amigos e familiares! Vamos espalhar conhecimento e ajudar a prevenir o vício em games! 

Umas dicas extras

Se você se preocupa com o uso de games pelo seu filho, converse com um psicólogo ou outro profissional de saúde mental, porque games não são vilões, mas o excesso deles sim.

Foto: Bing Image Creator

Robson Moretão

Os games podem ser mais que simples diversão, já que ajudam no aprendizado e persistência. Mas é preciso que pais e responsáveis fiquem alertas para que o exagero não tome conta e cause problemas

Um maluco por games desde sempre – há mais de 30 anos! Sou fissurado em histórias incríveis, desafios “impossíveis” e gráficos realistas. Aqui, na minha coluna, vou falar sobre o avanço desta indústria fantástica e seus desdobramentos. Ah, e se quiser ficar por dentro das últimas novidades dos games e e-sports diariamente, cola comigo nas minhas redes sociais: TwitterTiktok, e Instagram

Leia todas as colunas sobre Games

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.