Skip to content

Potencializando a identidade cultural de Londrina: cultura é a nossa praia

Por Edra Moraes

Nos últimos anos, temos testemunhado um fenômeno de “festivalização da cultura” em escala global. Esta expansão dos festivais de arte(s) pelo mundo tem sido impulsionada pelo atrativo que representam para turistas e empreendedores. Comunidades que desejam surfar nessa onda devem enfatizar seus valores culturais, paisagísticos, artísticos e históricos, capitalizando seu patrimônio cultural como uma estratégia de marketing para promover a identidade da cidade.

Para manter-se competitivas, as cidades precisam adotar estratégias que valorizem seus recursos culturais e criativos. Londrina se destaca culturalmente por sua rica diversidade de grupos e artistas. A cidade abraça mais de 15 festivais, a maioria com mais de duas décadas de história. Dentre eles, destacam-se o FILO (Festival Internacional de Londrina), o FIML (Festival Internacional de Música de Londrina), o Festival Kinoarte de Cinema, o Festival de Dança de Londrina, o Londrix – Festival Literário de Londrina e o Festival de Circo, todos com mais de 15 anos de trajetória. Apesar da diversidade artística, todos compartilham uma mesma essência: a da “resistência”, especialmente em relação às questões financeiras.

Além de contribuir para a imagem de uma cidade inovadora e criativa, essa efervescência cultural tem criado uma rede de profissionais altamente qualificados, um recurso escasso em outras regiões. No entanto, apesar do cenário promissor, isso não se traduz em investimentos consistentes ou garantias de emprego para essa mão de obra qualificada. Como resultado, muitos talentos migram para grandes centros urbanos.

A demanda crescente e os recursos limitados geram insegurança para aqueles que estão há mais de quinze anos provando sua capacidade de execução. Com exceção de alguns grupos com financiamento garantido que nunca atende 100% dos recursos necessários, os demais artistas enfrentam anualmente a árdua tarefa de buscar recursos através de editais.

A efervescência cultural de Londrina contribui para a imagem de uma cidade inovadora e criativa. Mesmo assim, a falta de visão política sobre os eventos e festivais culturais geram insegurança
Foto: Osuel/UEL/Festival Internacional de Música de Londrina/Divulgação

Apesar de políticos reconhecerem que os festivais são estrategicamente eficazes para a promoção da cidade de Londrina, o estímulo ao turismo e a promoção de intercâmbio cultural, na prática pouco é feito, incluindo a alocação de recursos que perdem valor a cada ano. Mesmo o Londrina Convention Bureau, que tem como objetivo captar eventos e promover o destino Norte do Paraná no seu site cita nossa riqueza cultural de maneira tímida em alguns segundos no vídeo institucional, apesar de concorrerem com cidades que usam praias e eventos para atrair negócios.

A Importância da institucionalidade e do engajamento na realização de eventos culturais

A continuidade desses eventos deve ser assegurada pela institucionalidade, tanto em termos de orçamento quanto de compromissos legais, onde o poder público desempenha um papel fundamental. Diversificar as fontes de financiamento é crucial, seja através de patrocínios, convênios, doações ou patrocínio incentivado. Embora isso ocorra em alguns casos, os recursos em geral não são suficientes para cobrir todos os custos e não garantem antecipadamente a realização dos festivais.

Os pilares conceituais da economia criativa são: criação, produção, distribuição e consumo. No entanto, a maioria dos editais se concentra na criação e produção, abandonando a distribuição. A maioria dos projetos tem poucos recursos para divulgação em massa, e a nível nacional, e conta com um orçamento que não permite aumentar o investimento. Portanto, é essencial que tanto o setor público quanto o privado se unam para promover os eventos e captar recursos para uma divulgação mais efetiva. Muitos produtores culturais sentem que estão começando do zero a cada evento. A cada evento, é necessário investir não apenas na divulgação da programação, mas também na marca do evento.

Foto: Londrix/Divulgação

Desafios e necessidades na gestão de eventos culturais tornando-os rentáveis

Destaco a importância do mapeamento dos principais festivais para coordenar ações que prolonguem sua existência e ampliem a difusão cultural nacional. É crucial estabelecer um calendário de eventos na cidade para organizar de forma mais equilibrada a disposição de eventos e para divulgar os festivais como um capital turístico. Um dos obstáculos é a concentração de atividades culturais no segundo semestre, resultante do processo de aprovação de projetos e obtenção de recursos das leis de incentivo à cultura. Isso leva a uma sobreposição de eventos, dificultando tanto o acesso do público quanto a organização dos grupos participantes.

A preparação de festivais de grande porte demanda tempo extra para produção de espetáculos, pesquisa, agenda dos grupos e captação de recursos. Muitas vezes, os recursos chegam tarde demais para garantir o sucesso. Embora as leis de incentivo abranjam produção e difusão cultural, há falta de apoio para desenvolvimento, pesquisa e planejamento, evidenciando a necessidade de melhorar esses mecanismos.

Transformando os Festivais de Londrina em ferramentas de desenvolvimento e turismo

Este artigo apenas inicia a discussão sobre o assunto, destacando algumas iniciativas bem-sucedidas na gestão de festivais visando atrair turistas. Sugiro as seguintes ações: estabelecer mecanismos de colaboração e cooperação entre os organizadores visando a criação de um calendário anual de festivais, elaborar estratégias de comunicação e mobilização conjuntas para todos os festivais, identificar oportunidades em editais de âmbito nacional e estadual, promover a articulação e a obtenção de patrocínios junto ao setor empresarial local, assegurar um orçamento fixo mínimo para a fase de pré-produção e evitar a interrupção de projetos com mais de quinze anos por meio da criação de um fundo específico.

Foto principal: Festival Internacional de Londrina -FILO/Divulgação

Edra Moraes

Já está mais que comprovado que o investimento em cultura traz um retorno de até 13 vezes o valor investido. Mas ainda há políticos que tende atacar setores que consideram improdutivos.

Profissional de marketing, produtora cultural e escritora. Agitadora cultural e idealizadora do Movimento Londrina Criativa. Prêmios:  Obras Literárias Digitais 2020“Antologia Poética | Seleção da AutoraMemorial Vivência, Literatura, Livro e Leitura UnesparCultura nas Redes 2020 e FCC Digital 2020. Me siga nas redes sociais: Facebook, Instagram @edra_moraes, YouTube @edra-moraes27. Contatos: e-mail edra.moraes27@gmail.com e fone/whatsapp: (41) 997722447.

Leia mais sobre Economia Criativa

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.