Skip to content

Saiba as diferenças entre recesso, férias e férias coletivas

Por Angelita Salvador

Essa semana vamos abordar um tema essencial no universo do Direito do Trabalho: as diferenças entre o recesso concedido pelo empregador, as férias individuais e as férias coletivas. Embora possam parecer semelhantes à primeira vista, cada uma dessas modalidades possui características distintas e regras específicas regidas pela legislação trabalhista brasileira.

Recesso Concedido pelo Empregador:

No início do ano, sempre surgem a dúvida: qual a diferença entre recesso concedido pelo empregador, férias individuais e férias coletivas? Confira
Imagem criada por IA com o Bing

O recesso concedido pelo empregador é uma pausa no trabalho oferecida pelo empregador de forma discricionária, ou seja, por sua própria vontade, sem previsão legal específica. Geralmente, ocorre em períodos de menor demanda de produção ou em datas comemorativas, como Natal e Ano Novo. O recesso pode ser remunerado ou não, dependendo do que for acordado entre empregador e empregado, ou estabelecido em normas internas da empresa.

Importante ressaltar que o recesso não se confunde com as férias individuais, pois não é regulamentado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e não possui um período mínimo ou máximo de concessão estipulado por lei. Sua duração e condições devem ser estabelecidas de comum acordo entre as partes, preferencialmente por meio de um instrumento escrito.

Férias Individuais:

As férias individuais são um direito assegurado ao trabalhador pela CLT. Após cada período de 12 meses de trabalho, o empregado adquire o direito a um período de descanso remunerado, conhecido como férias. O período mínimo de concessão das férias é de 30 dias corridos, podendo ser dividido em até três períodos, desde que um deles não seja inferior a 14 dias corridos. As férias devem ser concedidas pelo empregador até o período máximo de um ano após o empregado adquirir o direito.

Durante as férias, o empregado tem direito ao pagamento do salário acrescido de um adicional de 1/3 (um terço) sobre o salário normal. Além disso, o período de férias é um direito irrenunciável e não pode ser substituído por qualquer compensação financeira, conforme determina a legislação trabalhista.

Férias Coletivas:

Por fim, as férias coletivas referem-se à concessão simultânea de férias a todos os empregados de uma empresa ou de determinados setores, por um período pré-determinado. As férias coletivas são regulamentadas pela CLT e devem ser comunicadas com antecedência ao órgão local do Ministério da Economia e aos sindicatos representativos da categoria profissional.

Diferentemente das férias individuais, as férias coletivas podem ser concedidas independentemente do período aquisitivo de cada empregado. No entanto, o empregador deve garantir que todos os funcionários usufruam do período de descanso remunerado, respeitando as disposições legais e as negociações coletivas vigentes.

Em resumo, é fundamental compreender as nuances e particularidades do recesso concedido pelo empregador, das férias individuais e das férias coletivas para garantir o cumprimento adequado das normas trabalhistas e o respeito aos direitos dos trabalhadores. O conhecimento claro dessas diferenças contribui para uma relação saudável e transparente entre empregadores e empregados, promovendo um ambiente de trabalho justo e equilibrado.

Se você, leitor, tem alguma dúvida ou tópico específico relacionado ao direito trabalhista ou a contratação inclusiva que gostaria de ver discutido nesta coluna, fique à vontade para entrar em contato, contato@vileladepaula.com.br.

E até a próxima semana.

Angelita Caroliny Vilela Salvador

O prazo para entrega do Relatório de Transparência na Lei da Igualdade Salarial está se esgotando. As empresas que não cumprirem podem sofrer sanções

É formada em Ciências Sociais e Direito, advogada e especialista em Direito e Processo do Trabalho. Professora universitária, atua na área empresarial com foco nas relações de trabalhos. Atualmente coordena um projeto voltado para auxiliar pequenos e microempresários. Instagram: @profangelitasalvador e @vdpadv

Leia todas as colunas sobre Direito do Trabalho

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.