Skip to content

O 8 de Março e suas conquistas trabalhistas

Por Angelita Salvador

Na última sexta-feira, dia 8 de março, comemoramos o Dia Internacional da Mulher. Na medida que celebramos esse dia, é essencial reconhecer não apenas as conquistas sociais e culturais das mulheres, mas também seus avanços no mundo do trabalho.

Ao longo dos anos, as mulheres têm enfrentado desafios significativos para garantir igualdade de direitos e oportunidades no ambiente de trabalho. Nesta coluna, gostaria de destacar algumas das conquistas marcantes que moldaram o cenário trabalhista para as mulheres e como elas continuam a impactar nossas realidades empresariais.

Direitos trabalhistas fundamentais

No passado, as mulheres enfrentavam discriminação sistemática no local de trabalho. Elas muitas vezes recebiam salários mais baixos do que os homens pelo mesmo trabalho e tinham acesso limitado a posições de liderança. No entanto, graças aos esforços incansáveis de ativistas e defensores dos direitos das mulheres, foram estabelecidas leis que proíbem a discriminação de gênero no emprego e garantem igualdade salarial.

Licença Maternidade e proteções no trabalho

Outra área em que houve avanços significativos é a licença maternidade. Antes, as mulheres enfrentavam o desafio de equilibrar suas carreiras com a responsabilidade de cuidar de seus filhos recém-nascidos. Hoje, muitos países têm políticas que garantem licença maternidade remunerada e proteções no local de trabalho para as mães, permitindo-lhes tempo adequado para se recuperar do parto e cuidar de seus bebês sem temer pela segurança de seus empregos.

Flexibilidade no trabalho

Com o avanço da tecnologia e mudanças nas expectativas em relação ao trabalho, as mulheres também conquistaram mais flexibilidade no local de trabalho. A possibilidade de trabalhar remotamente ou em horários flexíveis permitiu que muitas mulheres conciliassem suas responsabilidades profissionais com as demandas da vida familiar.

Desafios contínuos

Apesar desses avanços, ainda há desafios a serem superados. As mulheres continuam sub-representadas em certas indústrias e em cargos de liderança, e a lacuna salarial de gênero persiste em muitos lugares. Além disso, questões como assédio sexual e discriminação ainda são uma realidade para muitas mulheres no local de trabalho.

Como empresárias, podemos fazer a diferença

Como empresárias, temos a responsabilidade de promover um ambiente de trabalho inclusivo e equitativo. Podemos fazer isso implementando políticas que garantam igualdade salarial, oferecendo oportunidades de desenvolvimento profissional para mulheres e promovendo uma cultura organizacional que valorize a diversidade e o respeito mútuo.

À medida que celebramos o Dia Internacional da Mulher, vamos refletir sobre as conquistas das mulheres no mundo do trabalho e reafirmar nosso compromisso em promover a igualdade de gênero em nossas empresas e em toda a sociedade.

Com esperança por um futuro mais igualitário.

Se você, leitor, tem alguma dúvida ou questão relacionadas a essa coluna ou ao Direito do Trabalho, fique à vontade para entrar em contato: contato@vileladepaula.com.br.

Até a próxima semana!

Angelita Caroliny Vilela Salvador

Na comemoração do Dia Internacional da Mulher é preciso refletir sobre as conquistas trabalhistas das mulheres e reafirmar o compromisso de promover a igualdade de gênero

É formada em Ciências Sociais e Direito, advogada e especialista em Direito e Processo do Trabalho. Professora universitária, atua na área empresarial com foco nas relações de trabalhos. Atualmente coordena um projeto voltado para auxiliar pequenos e microempresários. Instagram: @profangelitasalvador e @vdpadv

Leia todas as colunas sobre Direito do Trabalho

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.