Diário de Quarentena: Atelier nosso de cada dia nos dai hoje!

E sim! Amém! Assim seja! E todas as saudações! Por que? O atelier é o espaço mais vital para o artista. E ele transcende o espaço físico! Por incrível que possa parecer, quando estamos fora de nossos espaços físicos, criamos espaços mentais… Alguém se lembra do “palácio da memória”, do Patrick Jane da série “O mentalista “? Então! É perto disso: uma construção mental, aonde pensamos sobre temas, materiais,  processos… Meio caminho andado, depois disso é “mão na massa”(e na tinta…).

Foto: Acervo pessoal

Muitos não conseguem seus ateliers, por motivos que todos conhecemos: falta de dinheiro, de incentivo, de estrutura e políticas culturais realmente sólidas para as artes. Só que, feliz ou infelizmente, artistas se reinventam e acabamos usando qualquer espaço disponível! Eu tive uma aluna que pintava em cima da pia do banheiro, colegas que usam as cozinhas, ou as salas de casa, ou seus quartos, áreas do fundo, da frente…

Eu passei por isso, quando lembro de todo o material que guardava no meu quarto e do tamanho dos quadros, não entendo até hoje como conseguia manter aquela produção! Tive dois ateliers grandes, que funcionaram para dar aulas também, um com a Mira Benvenuto, que foi sensacional! Tanto o atelier quanto a sócia, que também é minha amigairmã! Outro já era uma casa térrea, que me deu a oportunidade de ter um husky siberiano lindo e amoroso , que foi um dos meus dogs inesquecíveis. Fora todos os projetos que aconteceram nesses dois ateliers e todas as pessoas fantásticas que conheci e tive o orgulho de compartilhar o mundo das artes!

Depois, meu atelier “roubou” o espaço da casa da minha família novamente! E foi também um período muito intenso! Aproveitando a “deixa ” da coluna DNA DO ROCK, quando eu e Ro nos casamos, achamos que tínhamos achado nosso santuário, mas ele, além de ser extremamente pequeno para caber o atelier, era assombrado… Foi um período bem improdutivo….(E de boa.. assustador!)

Foto: Acervo pessoal

Mas, eis que o universo dá os seus jeitos e iluminou um lugar com vários caminhos: nossa atual casa, que também já teve períodos de abrigar a loja, e que abriga hoje em dia meu atelier, o AD atelier e loja virtual de acessórios minha e da Ana, o estúdio do Ro, (que eu chamo de men’s cave) e de onde nasce todas as semanas a programação do DNA que vai para radio, a coluna de rock que vem para o jornal. E uma sala que posso colocar nossos livros e vinis… Muito espaço todo para eu criar o que eu quiser e precisar! E que também abriga nossas “histórias, honras e glórias”, como diria Renato Russo! ( As derrotas a gente passa por cima!).

Foto: Acervo pessoal

Mas! No coração, a casa da minha família sempre terá sido meu primeiro grande pequeno atelier! E desejo que todos os artistas, mesmo que não possamos ter AQUELE galpão, de conceito aberto, com pés direitos altos, mezanino e janelas imensas, que aonde quer que todos estejam, a inspiração inunde todos os espaços desses artistas, dando força, coragem e energia criativa para continuarmos sobrevivendo nesse apocalipse zumbi! E espero muito, que logo eu possa escrever a última coluna da série Diário de Quarentena!

Carpem Die! Pax Vobiscum!

Angela Diana

Foto: Ana Paula Barcellos

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Foto: Acervo Pessoal

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *