Dia do Fisioterapeuta: Área faz parte da recuperação pós-mastectomia

No dia voltado à importância da profissão (13), especialista explica a promoção do bem-estar que a fisioterapia proporciona à pacientes com câncer de mama

O LONDRINENSE com assessoria

A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) aponta que cerca de 70% das pacientes oncológicas precisam recorrer à mastectomia. O procedimento pode trazer diversas alterações funcionais na região afetada, e esta realidade faz com que o acompanhamento fisioterapêutico seja essencial, tanto antes, quanto depois do procedimento cirúrgico. 

A professora do curso de Fisioterapia da Pitágoras Unopar, Magda Stival, comenta que muitas pacientes desconhecem a importância da especialidade tanto na preparação, quanto na recuperação pós-cirúrgica. “Para a preparação cirúrgica, o atendimento da fisioterapia é fundamental, para obtermos dados necessários para uma reabilitação eficaz e com qualidade. Assim como após a mastectomia, seja total ou por quandractectomia (parcial), a realização da fisioterapia é essencial, pois buscamos prevenir complicações circulatórias, osteomioarticulares, assim como evitar aderências e outros problemas na própria cicatriz, os quais podem surgir, desencadeando uma redução funcional”, comenta. 

A professora explica que uma das principais atuações do profissional durante o período de pós-mastectomia, é a recuperação do movimento de qualidade e funcional, com a força do(s) braço(s) e melhora da sensibilidade, que muitas vezes pode ficar prejudicada; buscar reduzir dores e rigidez nas regiões das costas e pescoço; melhora da postura e da qualidade de vida. “São vários os benefícios da fisioterapia no pós-cirúrgico, desde a prevenção de possíveis problemas pulmonares, até a instalação de edema no local da mastectomia e no membro superior que está próximo, o que reduz a autoestima e confiança das pacientes devido aos problemas subsequentes que essas complicações podem acarretar. Buscamos também a orientação adequada da paciente no pós-operatório, tirando todas as dúvidas que possam vir a surgir, pois o conhecimento pode fazer em suas várias etapas de recuperação, ajuda na reabilitação e aceitabilidade do tratamento”, completa. 

O câncer de mama é o mais incidente em mulheres no mundo, com estimativa aproximada de 66 mil novos casos no Brasil até 2022, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Os dados do Inca também estimam 3.470 novos casos para Paraná até 2022, com uma taxa de incidência de 59,26 casos por 100 mil mulheres. 

Atendimento


A Unopar possui atendimento à comunidade, em clínica-escola de fisioterapia nos municípios de: Londrina e Arapongas. A atuação contempla o atendimento destinado à população e os alunos, com a devida orientação e supervisão dos professores, realizam as atividades e procedimentos a mulheres que passaram pela mastectomia.

Unopar Piza – Londrina
Clínica de Fisioterapia
Agendamentos via telefone: (43) 3371-7816, de segunda a sexta-feira das 08:00 às 12:00 e das 13:20 às 17:30.
Endereço: Avenida Paris, 674, Jardim Piza, Londrina.

Pitágoras Unopar Catuaí – Londrina
Clínica de Fisioterapia
Agendamentos via telefone: (43) 2105-7176, de segunda a sexta-feira das 08:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00.
Endereço: R. Edwy Taques De Araujo, 900 Gleba Palhano, Londrina (PR).

Unopar Arapongas
Clínica de Fisioterapia
Agendamentos via telefone: (43) 3172-7553, de segunda a sexta-feira das 08:00 às 12:00
Endereço: Av. Gaturamo, s/n, ao lado do hospital Honpar, Arapongas (PR).

Foto: Pexels

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *