Skip to content

Pés vermelhos fissurados pelo novo

Por Ana Paula Barcellos

Londrina é um município novo, ainda é jovem. Nesse ano de 2024, a menina Londrina completa 90 anos. Se como idade de gente é muito, pra cidade é idade de moça.

Além de ser nova, também é uma cidade muito adepta dos modismos, desde sempre. Puxe sua historia pela memória (pelo Google também vale, claro) e vá analisando as primeiras construções, quais foram as inspirações artísticas e arquitetônicas, como as tendências de comportamento iam sendo incorporadas ou importadas. Mas, principalmente, quanto tempo elas duravam por aqui até serem substituídas por outras.

LEIA TAMBÉM

Valeria fazer uma retrospectiva (ótimo tema para pesquisas acadêmicas, inclusive), só não cabe nesse espaço e por isso me valho das reflexões e de alguns exemplos mais pontuais: as belas casas históricas (lembra da casa dos anõezinhos que não foi tombada pelo poder público?) que Londrina já teve e que foram derrubadas para virarem prédios ou centros comerciais.

Essa extinção e ausência de edificações que deveriam ter sido tombadas como patrimônio histórico da cidade faz com que a cidade vá ficando cada vez mais com uma estética “quadrada” e homogênea, tem muitos espaços com a mesma “cara” de consultório médico ou escritório de advocacia, vai ficando tudo muito igual. Acho até que Londrina é uma cidade muito sem identidade, nesse sentido.

Londrina, apesar de nova para uma cidade, teria muito mais monumentos históricos se soubesse preservá-los. Mas, não. Aqui se troca o histórico pelo novo
Foto: Acervo pessoal Julio Rodolfo Roehrig

A mesma coisa acontece com espaços importantes da cidade. O Calçadão de Londrina, como pontuei em outra coluna, foi praticamente assassinado. Esse que já foi ponto de referência, quase turístico, centro cultural e de lazer, está às moscas. E arrancaram todos os símbolos que faziam desse espaço o que ele era: os quiosques, o petit pavê (que foi trocado por aquele piso horroroso). Foi um crime não terem tombado também os ladrilhos característicos do nosso Calçadão. Já imaginaram Copacabana sem seu calçadão característico?

Trocar o histórico pelo novo por aqui é normal

Em Londrina, arrancar algo importante pra colocar qualquer coisa no lugar, nova, é normal. E com isso não quero dizer que tudo que é novo é ruim. Óbvio, o novo pode ser muito bom, pode ser sinal de progresso. Aqui não quero levantar bandeira de saudosismo sem causa ou anti-renovação. Mas também não dá pra sair abraçando tudo o que é novidade só pelo gosto da novidade – que é o que acredito ser o caso de Londrina.

E sinto falta aqui, na cidade pela qual eu tanto suspiro, de mais raízes simbólicas. Sofro com esse Calçadão tão largado de lado, acho horríveis as cabines telefônicas imitação das gringas e tudo que faz referência a Londres! Quando a gente vai deixar a síndrome de filha de quem só pariu, para buscar nossa própria identidade e construir nossa trajetória própria, sem repetir ladainha como História?

História se faz com tempo. Para ter lugares e monumentos históricos é preciso preservá-los, assim como aspectos culturais e certos costumes e tradições. Legado se constrói com o tempo! A gente precisa deixar Londrina envelhecer e envelhecer bem…

Ana Paula Barcellos

Meu pai e minha mãe nunca tiveram problemas com idas ao cemitério e a velórios, e sempre levaram a gente junto, desde pequena. Sempre entenderam que a morte é parte fundamental da vida, no futuro

É graduada em História pela UEL, Mestre em Estudos Literários, integra coletivos culturais da cidade e é agente cultural. Sacoleira e brecholenta, trabalha com criação de joias artesanais e pesquisa de tendências, e escreve também a coluna de Moda deste jornal. Siga os Instagram @experienciasdecabide e yopaulab

Foto principal: Calçadão/Arquivo/Procon

Leia mais Crônicas de uma cidade

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.