Skip to content

Estou sendo sustentada pelo marido e adorando. Mas me sinto culpada

Por Telma Elorza

“Perdi meu emprego há um ano e, desde então, passei a ser sustentada pelo marido. Estou adorando minha nova vida, só tendo que me preocupar com a organização da casa e filhos adolescentes, o que é exaustivo, mas me dá tempo para cuidar de mim também. Meu marido não reclama, diz que não devo ter pressa de procurar emprego. No entanto, me sinto culpada por não estar trabalhando e sendo produtiva. É normal?”

Amiga, quem disse que você não está sendo produtiva? Cuidar da casa e dos filhos é um trabalhão sem fim. Pouco valorizado pela sociedade, mas é um emprego exigente, importante e exaustivo. O que me parece que você está tirando de letra, muito bem organizada, principalmente por ter conseguido tirar tempo para cuidar de você. Muitas vezes, as mulheres que optam por ficar em casa não conseguem esse tempo para si.

Sustentada, não. Fazendo um trabalho importante

No entanto, entendo sua “culpa”. Nós, mulheres, somos condicionadas, desde cedo, a sermos super-heroínas, “guerreiras” (detesto essa palavra e já explico por que) e eficientes. Isso significa que temos que ser mulheres que cuidam da casa, do marido, dos filhos, dos pais (se forem doentes/idosos); ser uma ótima profissional, evoluir na carreira; amiga, companheira; e ainda se cuidar, fazer regime, ginástica, cabelo, unhas, maquiagem, depilação, enfim. Não somos “guerreiras”, somos sobrecarregadas desde crianças. Criou-se um modelo de supermulher que temos que seguir para não nos sentirmos culpadas/fracassadas se não damos conta de tudo.

E não temos que dar conta de tudo, não.

Se você está feliz, fazendo apenas o trabalho de mãe, esposa e dona de casa, não tem problema algum. Como eu explico nessa coluna aqui, trabalhar ou não fora de casa deve ser sempre uma opção da mulher (para aquelas que não tem que enfrentar um trabalho desgastante por conta da situação financeira da família e que são obrigadas a enfrentar dupla, às vezes até tripla jornada, né?). Outras adoram o trabalho que fazem e não abrem mão disso. E tá tudo bem.

Então a escolha é sua. Quer ficar em casa, cuidando de tudo? Fique, sem culpa, sem frustrações.

Porém, recomendo que aproveite o período também para estudar e se atualizar na profissão.
Uma coisa que sempre digo a quem me pede conselho é o de nunca ser totalmente dependente de homem, principalmente num casamento. Porque casamentos acabam. Infelizmente essa é uma verdade e acontece com boa parte dos casais. E se a mulher se torna dependente financeiramente e não se mantém atualizada, pode ter dificuldades em voltar para o mercado de trabalho quando precisar. Por via das dúvidas, invista em conhecimentos. Isso pode ajudar e conhecimento nunca é demais.

Espero que tenha ajudado.

Se tiver dúvidas sobre relacionamentos, me mande um e-mail no telma@olondrinense.com.br

Quem é a Tia Telma

Telma Elorza é jornalista, divorciada e adora dar pitaco na vida dos outros. Mas sempre com autorização.

Arte: Mirella Fontana

Leia mais colunas do Consultório Sentimental da Tia Telma

(*) O conteúdo das colunas não reflete, necessariamente, a opinião do O LONDRINENSE.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.