Skip to content

Ramsés e o ouro dos faraós

Por Chantal Manoncourt

Este é o evento de exibição que todos esperavam. Depois de São Francisco, nos Estados Unidos e antes de Sydney, na Austrália, Paris é a única capital europeia a receber os tesouros de Ramsés para uma visita deslumbrante.

Ramsés II é considerado o maior rei que reinou sobre o Egito. A exposição destaca os momentos cruciais que permitiram ao grande faraó entrar na história. Famoso construtor do Egito faraônico, Ramsés II (1305-1213 aC), cujo reinado foi o mais longo e glorioso, durou 67 anos, uma ocorrência extremamente rara na história egípcia. Morreu aos 92 anos, uma longevidade incomum para a época, teve mais de dez esposas, cuja principal e grande esposa real foi Nefertari e, sem dúvida, 110 filhos, incluindo 50 meninos e 60 meninas.

 Acolhido por uma estátua de Ramsés rodeada por duas inscrições, o seu nome de nascimento e o seu nome de coroação, depois outro, muito diferente, com uma peruca finamente encaracolada, o visitante descobre as diferentes fases da vida do faraó, conquistador e construtor, a morte e a longa glória póstuma. Deixou monumentos excepcionais para a posteridade, notadamente parte dos templos de Karnak, o Ramesseum em Luxor, descrito como o mais majestoso de todo o Egito e apelidado por Champollion de Templo de Milhões de Anos, porque ali era assegurado o culto funerário do rei para a eternidade. Mas o mais espetacular continua sendo o de Abu Simbel, na Núbia, com seus quatro colossos salvos das águas ameaçadas pela represa de Aswan. Ramsés foi enterrado no Vale dos Reis, um túmulo de 168m de comprimento e 868m2 de área. Infelizmente foi saqueado, móveis e joias equivalentes foram retirados dos tesouros da dinastia Ramesside.

Em seguida, desfila diante dos olhos dos visitantes uma incrível variedade de objetos preciosos. O ouro brilha e o requinte das joias impressiona, como um colar com 5.000 pérolas com peso superior a 8 kg; outro com cabeça de falcão, pingentes adornados com turquesas e cornalina, pulseiras incrustadas com lápis-lazúli sem esquecer duas máscaras funerárias de ouro, mas mais invulgares múmias de animais, gatos, filhotes de leão ou crocodilos. E para evocar a suntuosa decoração do túmulo do faraó, está exposto o magnífico caixão de Sennedjem em madeira pintada com, nas paredes, reproduções de pinturas que acompanham o falecido no seu além. Deslumbramento garantido que dá vontade de explorar o Vale dos Reis.

Finalmente, Paris tem o privilégio e a imensa honra de exibir o caixão de madeira de cedro de Ramsés II, empréstimo excepcional como sinal de gratidão por ter cuidado de sua múmia de 3.200 anos, carcomida por micose. Foi em 1976, um voo especial pousou no aeroporto de Le Bourget, onde a múmia foi recebida com as honras de um rei ou um presidente em exercício. Diz até a lenda que ela teria recebido um passaporte diplomático…. Enfim, nenhuma outra soberana antiga foi recebida com tanta pompa. Talvez este seja o segredo da imortalidade.

Ramsés e o ouro dos faraós – Parc de la Villette 75019 Paris – até 6 de setembro de 2023

Fotos: © Yvan Lebert

 Chantal Manoncourt

Parisiense, arqueóloga e jornalista, apaixonada pelo Brasil, já escreveu vários livros sobre turismo brasileiro.

 
Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.