Skip to content

Animais cumprem medidas sanitárias para entrar na ExpoLondrina

Exames de saúde e ações de desinfecção integram o protocolo de biosseguridade. Nesta edição, a expectativa é de mais de dois mil animais nas diferentes atividades como julgamentos, leilões, esportes equestres e exposição

O Londrinense com Assessoria

A entrada de animais durante a ExpoLondrina, que já começou, é feita seguindo vários protocolos que garantem segurança a todos, animais e pessoas. O Paraná é um estado livre de febre aftosa sem vacinação, condição importantíssima que coloca a região em destaque na pecuária mundial.

Para seguir com essa excelência, a atenção é fundamental. “O cuidado começa na entrada do parque, onde os animais e caminhões passam por desinfecção no rodolúvel. Desta forma, garantimos a biosseguridade no parque”, afirma Luigi Carrer Filho, diretor de Pecuária da Sociedade Rural do Paraná.

Exames que atestem as boas condições de saúde dos animais também integram o protocolo sanitário. “É preciso comprovar que os animais são livres de brucelose e tuberculose. No caso das fêmeas entre 3 e 24 meses, é preciso apresentar atestado de vacinação de Brucelose emitido por um médico veterinário autorizado. As fêmeas com mais de 24 meses e machos com mais de 8 meses (estes destinados a reprodução) precisam ter resultado negativo para o teste de diagnóstico de brucelose e tuberculose analisado por um médico veterinário habilitado. Animais destinados a rodeio, provas de laço e outras provas que envolvem este tipo de animal precisam ter atestado negativo tanto de brucelose quanto de tuberculose”, detalha o diretor da Rural.

As medidas sanitárias incluem ainda outros critérios. Todos os animais que chegam para a ExpoLondrina precisam ter uma Guia de Trânsito Animal (GTA) que é emitida pelo Órgão de Defesa Sanitária seguindo o modelo criado pelo Ministério da Agricultura para poderem fazer este tráfego nas estradas. “No caso dos animas de gado geral, animais estes que vão para leilões e que não são destinados a reprodução, só precisam vir acompanhados da GTA e, além disso, devem vir também com a origem comprovando que são de estados considerados zona livre de febre aftosa sem vacinação. Animais do estado de São Paulo e do estado do Mato Grosso do Sul não podem adentrar ao Paraná porque eles são zona livre de aftosa com vacinação”, acrescenta Carrer Filho.

Estes cuidados são relacionados aos bovinos, mas todos os animais, sem exceção, precisam cumprir as regras sanitárias. “Temos um regulamento da Exposição específico para cada espécie, seja equino, ovino, caprino, suíno e até para cães, gatos e outros animais que chegam para a Exposição, todos precisam cumprir as regras”, destaca.

Uma vez dentro do parque, os animais são acompanhados por uma equipe de especialistas contratada pela Sociedade Rural para garantir todos os cuidados e o bem-estar deles bem como do local onde ficam durante a ExpoLondrina.

Para a ExpoLondrina 2023 são esperados mais de dois mil animais para diferentes atividades como julgamentos, leilões, esportes equestres e exposição.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.