Skip to content

The Little Drummer Girl, uma aula de cinema

O diretor Park Chan-wook (Oldboy – 2003, A Criada – 2016) volta à cena na direção da incrível primeira temporada de The Little Drummer Girl, série produzida pela BBC e adaptada do livro de John Le Carré, The Night Manager-2016.

A trama gira em torno de espionagem e se passa nos anos 70 na Alemanha Ocidental. Para quem tem em mente os filmes clichês de James Bond, com explosões, roupas elegantes e relógios Rolex, esqueça. A produção mostra algo mais real e crível, como no premiadíssimo The Americans (Joe Weisberg-2013), explorando belas paisagens europeias enquanto Chan-wook explora a fundo o íntimo dos personagens, fazendo a trama toda girar externa e internamente na vida dos seus protagonistas.

Durante uma viagem para a Grécia a atriz teatral Charlie Ross, interpretada brilhantemente por Florence Pugh (Midsommar-2019), conhece o misterioso Joseph, também brilhantemente interpretado por Alexander Skarsgard (Big Little Lies-2017 a 2019). A partir deste ponto na narrativa, tudo acontece de modo estranho e surreal, temos a sensação de estar assistindo algo dirigido por Luiz Bunuel (O Cão Andaluz-1929). Ficamos completamente perdidos e tendo as mesmas sensações confusas da personagem Charlie Ross. Tenha paciência, a história toda só começa a fazer sentido a partir do segundo episódio.

Com ritmo lento, mas nunca entediante, o roteiro se apresenta confuso e cativante. Chan-wook age como um espião, confunde o espectador, e nesta confusão nos identificamos com os personagens perdidos entre ficção e realidade. Com humor ácido e inteligente, a personagem de Florence Pugh segura todas as cenas, mesmo nos diálogos mais longos. Pugh cria uma aura carismática tão forte em sua interpretação, que oscilamos juntos com ela, hora para o bem, hora para o lado negro da força.

A série toda é uma aula cinematográfica. Com fotografia de cores que também oscilam do turvo ao berrante, mostradas em planos nada convencionais. Nota 10.

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.

Foto: Divulgação

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.