Skip to content

O Último Duelo traz história verídica e em atual

Por Marcelo Minka

Uma história verídica apresentada em várias versões. No confronto da guerra dos 100 anos entre Inglaterra e França do sanguinário século XIV, uma mulher diz ser estuprada. Marido e acusado fazem um duelo para que Deus diga, através da vitória, quem é inocente. Vale ressaltar que, para a mulher que mentia para a igreja, a pena era ser queimada viva.

A trama parece ter a profundidade de um pires, não fosse por três fatores: o filme é uma adaptação do livro de Eric Jager, The Last Duel: A true Story of Trial by Combat, a direção é de Ridley Scott (Alien Covenant – 2017) e a história é verídica. Esta é a nova produção da 20th Century Studios lançada na semana.

Após bastante tempo em desenvolvimento devido ao orçamento e a pandemia, o roteiro escrito por Nicole Holofcener (À Procura do Amor – 2013), Ben Affleck (Garota Exemplar – 2014) e Matt Damon (Jason Bourne – 2016) finalmente chega às telas dos cinemas. Estrelado por Damon interpretando Jean de Carrouges, o esposo de honra ferida, Adam Driver (História de um Casamento – 2019) interpretando o escudeiro Jacques Le Gris, o suposto estuprador e Jodie Comer (Free Guy: Assumindo o Controle – 2021) no papel da esposa supostamente violentada. Affleck também participa com um papel menor, o conde Pierre D’alençon.

Para o veterano hollywoodiano Ridley Scott, uma história pode ter infinitas versões, mas aqui somente uma realmente importa, e pode não ser a versão verdadeira, a versão da mulher medieval. A figura da mulher frágil, propriedade do pai e depois do marido, obediente à igreja, levanta a voz e grita ‘não vou me calar’. E o grito medieval ainda ecoa nos dias atuais de várias maneiras, como no movimento on-line #meToo, por exemplo.

Indubitavelmente Jodie Comer no papel da esposa é o que o longa tem de melhor. A direção também não fica atrás, mostrando uma trama que é bem mais complexa do que parece à primeira vista. E escrever esta história para os tempos atuais, mostrando que não mudamos muito a cultura masculina dominadora, é outro grande feito.

Com ótimas interpretações e locações incríveis, somos transportados para o medieval e mergulhamos no quebra-cabeças da trama. Com mais de 2:30 h, O Último Duelo é um filme com grandeza épica que só poderia ser dirigido por Ridley Scott.

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.

Foto: Divulgação

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.