Skip to content

Sobre a arte e como se vive dela

Muitas pessoas me perguntam sobre arte, trabalho e como se ganha dinheiro com arte. Vou tentar responder algumas das dúvidas mais frequentes.

Eu diria que, de cara, a mais importante é: SIM! Arte é profissão reconhecida pelo ministério do trabalho (vide citação da lei abaixo).

Como o artista sobrevive de arte no Brasil? Só por Deus! Não pessoal, brincadeira…O artista, na maioria das vezes, concilia o trabalho artístico com aulas em escolas, universidades ou em domicílio. Todo artista ministra aulas? Não, nem todo artista é professor, e os que são merecem muito mais respeito, a meu ver. Se já é difícil viver como artista, que dirá viver como professor de arte!

Com um pouco mais de sorte ou influência, o artista monta seu ateliê ou tem contato com curadores, donos de galerias, que lançam os artistas e os representam. Muitos artistas também desenvolvem linhas alternativas da obra, como fazer objetos decorativos ou artesanais, criam linhas de bijus ou joias, fazem vários tipos de trabalho voltados para área da decoração.

O artista só fica conhecido depois que morre? Não, isso é um mito. Tanto é que, para quem tiver interesse, leia a biografia de alguns artistas como Pablo Picasso, Da Vinci, Michelangelo, Rodin, Tarsila do Amaral, Louise Bourgeois e muitos mais. Com a diferença de que, hoje em dia, a informação chega mais rápido e estamos todos conectados com o mundo todo o tempo inteiro. Se fazer ser visto ou conhecido é até mais fácil, em alguns casos.

Como os artistas colocam os preços em suas obras? Geralmente se cobra por metro quadrado ou se faz um cálculo básico: a soma do preço do material mais horas gastas (geralmente se cobra o valor de uma hora-aula, é um jeito de quantificar o tempo que é gasto para se fazer a obra), multiplicado por dois. Essa multiplicação é feita para cobrir todos os outros custos que um artista tem para manter seu espaço, pagar as contas etc.

As obras que chegam a valores altíssimo, tem outras coisas agregadas a ela: nome muito conhecido, o artista ser muito bem cotado ou requisitado pelas grandes galerias ou por grandes leiloeiros como Christie’s ou Sotheby’s. Existe também outro fator, que é a relevância do artista e da sua obra para a humanidade, que é o caso de alguns dos artistas que citei acima.

Óbvio que algumas obras tem seu preço elevado quando o artista morre e, se ele não foi muito prolífico, a obra tem mais valor ainda, já que o criador deixa de existir. Mas dizer que o artista só faz sucesso depois que morre é mesmo um mito.

Duvidas pessoal? Me mandem! Bom resto de semana para todos!

Lei nº 6.533 REGULAMENTA A PROFISSÃO DE ARTISTA

Em 24 de maio de 1978, o Ministério do Trabalho cria a Lei nº 6.533, que traz benefício à classe artística, pois a partir dela fica reconhecida a profissão. Com a criação da lei, criou-se também o Sindicato dos Artistas – SATED_PR. Que ficou responsável para dar o atestado de capacitação profissional junto à Delegacia Regional do Trabalho e Emprego e, para que isto se concluísse, passou a cobrar os requisitos exigidos na lei.

Foto: Pixabay

Angela Diana

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.
Compartilhar:

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.