Skip to content

Londrina já acumula 13.751 notificações de dengue, com 3.218 casos confirmados

O LONDRINENSE com Assessoria

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou, nesta quinta-feira (19), o boletim semanal atualizado com a situação da dengue em Londrina. No decorrer da última semana, houve sete registros suspeitos da doença, e outros sete foram descartados. Porém, desde a primeira semana de janeiro, Londrina acumula 13.751 notificações de dengue, com 3.218 casos confirmados.

Do total de notificados em 2019, 9.888 tiveram resultado negativo e foram descartados. Atualmente, 645 casos estão em andamento, aguardando o resultado de exames laboratoriais.

Para combater a proliferação do mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, a Prefeitura de Londrina promove diversas atividades. Dentre elas, a visita educativa em escolas e Centros de Educação Infantil, municipais e filantrópicos. Os agentes de Endemias repassam aos alunos informações sobre o ciclo de vida do Aedes, e como eliminar possíveis criadouros.

Também são realizadas vistorias em imóveis de todas as regiões da cidade, inclusive aos finais de semana. No último domingo (15), o trabalho foi concentrado em bairros da zona oeste, Jardim Tókio, Jardim Olímpico e Vila Industrial; zona sul, no Jardim Acapulco; e no Conjunto Maria Cecília, situado na região norte.

Sarampo – Em relação ao sarampo, a SMS informou que Londrina registrou sete notificações da doença. Desde a última semana, quatro foram descartados, e três permanecem sob investigação. Os pacientes suspeitos, com idades de 4, 22 e 30 anos, aguardam o resultado de exames encaminhados ao Laboratório Central (LACEM) do Paraná, e que devem ser finalizados até a próxima semana.

Para conter o avanço do sarampo, que já acumula quase quatro mil casos positivos em todo o país, o Ministério da Saúde acrescentou, no calendário vacinal, a dose zero. Fornecida aos bebês na faixa etária de 6 a 12 meses incompletos, esta dose extra reforça a proteção às crianças consideradas mais suscetíveis a complicações graves da doença, como pneumonia, otite, encefalite ou até mesmo óbito.

A vacina contra sarampo continua sendo oferecida aos bebês de 12 e 15 meses, regularmente. Para adultos, a recomendação é que pessoas com idade até 29 anos recebam duas doses de vacina e, de 30 a 49 anos, uma dose.

As doses da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, são disponibilizadas em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs), basta apresentar a carteira de vacinação ou documento de identidade.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.