Skip to content

Londrina deve ter HUB de Inovação pela UEL

Projeto foi apresentado à sociedade civil organizada e tem objetivo de estimular parcerias entre pesquisadores, startups e empreendedores

Agência UEL

Representantes de Instituições de Ensino Superior, de Pesquisa, da Sociedade Rural do Paraná, Sebrae e do Sistema Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná) se reuniram, nesta sexta-feira (13), para conhecer, em detalhes, o projeto do Hub de Inovação da UEL que está sendo idealizado por meio de parcerias e que deverá funcionar no prédio do Laboratório de Medicamentos (LM), localizado na Avenida Tiradentes, na zona oeste. O Hub será um local para reunir e estimular parcerias entre pesquisadores, startups e empreendedores, além de sediar o futuro Instituto de Inteligência Artificial do Agro.

O local é considerado estratégico por pertencer à UEL e estar ao lado do Parque Governador Ney Braga, sede da Sociedade Rural do Paraná, que desde o mês passado sedia o primeiro Polo de Inovação Agro, uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para estimular o desenvolvimento de novas tecnologias voltadas ao setor.

A reunião teve o objetivo de apresentar os detalhes do projeto que envolve várias entidades e forças políticas da região. O ex-deputado federal Alex Canziani explicou que o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) pretende criar oito centros de pesquisa em inteligência artificial em todo o país, sendo quatro no estado de São Paulo e o restante espalhado pelo país. A proposta é atrair um destes centros para Londrina, aproveitando a vocação local de pesquisa em Agronegócio e o ambiente acadêmico proporcionado pela presença da UEL e de várias Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa para que o investimento seja feito na cidade.

Segundo o reitor, Sérgio Carvalho, a UEL integra este grande esforço pela vocação de servir à sociedade, gerar conhecimento e difundir tecnologias. Em nome disso a Universidade vem ampliando o debate acerca de temas relacionados à inovação. No ano passado, a UEL assumiu a governança de química e materiais do Ecossistema de Inovação de Londrina, que une instituições de pesquisa e iniciativa privada para o desenvolvimento estratégico. O município tem hoje cinco setores estratégicos considerados prioritários no Ecossistema – saúde, agropecuária, TIC, eletromecânica e química e materiais, encampado pela Universidade em novembro do ano passado.

Inovação –

Este ano a Universidade realizou debates com o objetivo de fortalecer a política de inovação nos Centros de Ensino e Departamentos, envolvendo pesquisadores de diversas áreas. O primeiro Inovatec foi realizado em fevereiro passado, abordando a implantação da Política de Inovação no Brasil e nas instituições. No segundo evento, os participantes discutiram o Marco Legal e as vantagens de obtenção de patentes verdes, a partir de processos e produtos que tragam benefícios ambientais.

De acordo com a professora Cristianne Cordeiro Nascimento, diretora de Planejamento e Integração Acadêmica, da Pró-reitoria de Planejamento (PROPLAN), a proposta é que o Instituto de Inteligência Artificial funcione dentro do Hub de Inovação. Ela define o Hub como espaço ideal para estabelecer conexões, ou seja, parcerias a partir de projetos e produtos de inovação. “Esse instituto poderá potencializar as demandas da agropecuária e outros setores, e apontar soluções ligadas à tecnologia”, definiu ela.   

A diretora explicou que a proposta é utilizar o prédio do Laboratório de Medicamentos (LM) da UEL, que atualmente é ocupado para atividades acadêmicas do Curso de graduação de Ciências Farmacêuticas, sendo que uma outra parte está sendo usada pela 17ª Regional de Saúde, até o início de 2020. O prédio tem área total de 3 mil metros quadrados, instalado em um amplo terreno, com mais de 6 mil metros quadrados.

Participaram da reunião nesta sexta, na sede da Sociedade Rural do Paraná, o superintendente da Ocepar, Robson Leandro Mafioletti, o diretor Jorge Hashimoto, o presidente da Sociedade Rural do Paraná, Antonio Sampaio; o reitor da UEL, Sérgio Carvalho, acompanhado do Pró-reitor de Planejamento (Proplan), Mario Mantovani. Também estiveram presentes ao encontro representantes do Sebrae, Embrapa Soja, Iapar, ITFPR, Instituto Senai Tecnológico de Londrina e UFTPR.

Foto: Professora Cristianne Cordeiro, da Proplan, apresentou o projeto, que deverá sediar o futuro Instituto de Inteligência Artificial do Agro – Agência UEL

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.