Skip to content

CADA MACACO NO SEU GALHO. ATÉ QUANDO?

Agentes do IAP/Londrina, acompanhados por integrantes da Sema, fazem nova vistoria no Bosque Central para observação dos macacos-prego que habitam o local, desde o final do ano passado

Antônio Mariano Júnior

Equipe O Londrinense

Pergunta: quantos são, quando e por que vieram parar no local? Resposta: ninguém sabe, ninguém viu. Fato indiscutível: não há como resistir às macaquices dos mais recentes habitantes do Bosque Central de Londrina.

 Crianças e adultos deixam o cotidiano seguir e ficam minutos admirando, com sorrisos e olhos encantados, as performances dos macacos-prego nos galhos de árvores nativas. Fotos e vídeos são registrados no aparelho celular.

Presume-se que os macacos tenham chegado ao Bosque Central, no final do ano passado. Os animais recebem regularmente bananas de alguns taxistas, frequentadores do local e moradores da região.

Das duas, uma a possível alternativa para a presença dos macacos-prego, espécie nativa da região: teriam sido soltos no local ou vieram pulando de galho em galho. “A arborização urbana oferece, de fato, uma pequena conexão que teria facilitado a vinda desses animais. Não podemos afirmar”, comenta José Roberto Francisco Behrend, secretário municipal do Ambiente.

Ao Jornal O Londrinense, Behrend disse que na quarta-feira (10) servidores da sua pasta e do escritório regional do Instituto Ambiental do Paraná (IAP/Londrina) fizeram nova vistoria no Bosque. A primeira visita em conjunto teria ocorrido em janeiro deste ano.

A equipe retornou ao Bosque motivada também por preocupação de moradores do entorno quanto à permanência dos macacos no local.  Behrend aguarda um possível relatório da visita. “É importante frisar que o manejo de animais silvestres é de responsabilidade do IAP, nós apenas acompanhamos a vistoria”, diz o secretário.

As informações do secretário de Ambiente de Londrina foram fornecidas no final da tarde de quarta-feira (10). O expediente do IAP encerra-se às 17h30. O site do órgão não disponibiliza nenhum telefone de emergência.

Mais informações em breve.

Mais informações em breve.

Imagens: Antônio Mariano Júnior/O Londrinense

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Designed using Magazine Hoot. Powered by WordPress.