Por Marcelo Minka

Este ano parece que teremos um outono com personalidade forte, chuva, chuva, chuva. Nos cinemas, o homem morcego dominando quase todas as salas, arrecadando milhões de dólares para os produtores. Provavelmente este sucesso todo seja a sintonia do filme com os tempos sombrios que estamos vivenciando, com um pezinho no medievo, o ‘dark side of the night’ que carregamos está à flor da pele. Com isto, as salas que sobraram estão exibindo apenas filmes menores, o que é normal também nesta época do ano, fase que antecedo a entrega do Oscar. Vamos aos filmes em exibição nos cinemas da cidade.

Epa, Cadê o Noé? 2

Não tem como não se lembrar do filme Noé, de Darren Aronofsky, de 2014, onde a famosa arca, mais uma vez, é revisitada pelo cinema. Neste Cadê o Noé, a adaptação bíblica é para o público infanto-juvenil, mas com uma grande diferença, este, não tem a mão de Aronofsky. Que pese a diferença entre narrativa para públicos tão diferentes, mas as animações atuais estão abordando temas tão adultos e tão pertinentes também aos jovens e crianças. Neste Noé, vemos apenas um debate desgastado e superficial.

Foto: Divulgação

O personagem Noé parece estar no título apenas para atrair certo público, nem aparece na trama, apenas é citado. Com isso, toda a história poderia se desenvolver sob qualquer contexto, sem precisar apelar para a Bíblia. Então sobram animais que falam e interagem entre si, brigado e fofocando. Parece que os roteiristas pensaram: precisamos aprofundar um pouco essa patuscada toda, vamos inserir a discussão das diferenças e da importância de achar seu lugar no mundo. Mas tudo é feito na superficialidade. Divertidinho.

Ambulância: um Dia de Crime

Foto: Divulgação

Este é o novo filme de Michael Bay, o cara das explosões mirabolantes e que faz a gente sair surdo do cinema e ficar com um zumbido no ouvido por vários dias. Neste filme não é diferente, temos explosões pirotécnicas com muitas cenas de ação desenfreada. A grandiosidade das cenas e a barulheira toda não deixam o bom elenco brilhar nos bons personagens que o roteiro traz. Jake Gyllenhaal (O Segredo de Brokeback Mountain – 2006), Yahya Abdul-Mateen II (A Lenda de Candyman – 2021) e Eiza Gonzalez (Em Ritmo de Fuga – 2017) somem dentro da trama enquanto Bay explode tudo que encontra pela frente. Apesar do ritmo frenético, a história é boa. Para quem gosta do gênero.

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.