A arte e a reconstrução de si mesmo

Por Angela Diana

Um dos maiores desafios para artistas é o tal “papel em branco” ou “tela em branco”…

Todo processo de criação é a mesma coisa: a falta de inspiração, por assim dizer, o desconforto, angústia, a busca pelo que fazer, que material, o que desenhar, O QUE! 

De repente, dá aquele “insight”, as ideias e as imagens fluem, as cores, formas, texturas, materiais, emoção, sentimento… As mãos trabalham tão rápido quanto o pensamento, seja um quadro, escultura, objeto…

Foto: FreePik

Às vezes, essa fase da criação, que é o ápice, pode durar um mês, dois anos,  dez anos! O tema vai se desenrolando e parece que tudo em volta se encaixa, até a vida do dia a dia fica mais fácil. Um dia esgota! O tema já não é tão interessante e parece que tudo o que podia ser “dito”(pintado) já foi!

E começa tudo de novo, a angustia, o incômodo,  a busca, as pesquisas (e TUDO faz parte disso, desde uma frase em um livro, uma música, a flor na calçada da rua, o barulho da chuva, a expressão das pessoas no ônibus, por exemplo) sempre é assim! Um ciclo!

Todos os artistas, sejam escritores, fotógrafos, atores, atrizes, artistas plásticos, bailarinos, dançarinos…TODOOS passam por esse processo! Alguns conseguem produzir o tempo todo, outros (como é o meu caso) tem períodos grandes de “casulo”.

Experimentando técnicas novas, estudando ou até fazendo atividades que não esteja diretamente ligadas com arte, mas alimentando o intelecto, o lado espiritual…

Agradeço aos céus a época que vivemos hoje! Porque temos profissionais que estudam o cérebro dos criativos, que falam sobre inteligência emocional, profissionais como psiquiatras, psicólogos que sabem que todo “criativo, criativa”, passa pelo processo de criação e é lógico que isso influencia a vida dessa pessoa.

Artista nunca ESTÁ artista, artista É!

Foto: Seamus Wray

E, enquanto as pessoas não se conscientizarem dessa realidade, vão muitas vezes fazer um “deserviço” na vida de um artista ou uma artista! Aquelas falas do tipo: “você já tentou tantos anos, porque não desiste?”

Ou a batida e horrorosa fala “ISSO NAO DÁ DINHEIRO, VOCÊ VAI PASSAR FOME” e a pior “Todo artista é louco” (nem vou comentar essa, pois já escrevi varias vezes na coluna o que eu penso de gente assim e a diferença de “ser louco” ou lúcido).

A arte não é só um meio para expressão, mas uma forma de organizar o mundo interno e se conectar com outros mundos, outras ideias de mundo, autoconhecimento e, consequentemente, crescimento emocional e espiritual!

Não me lembro o autor da frase (infelizmente), mas achei bárbaro a definição do poeta: “Estou cansado de velhos imaturos”!  (Fico devendo para vocês o autor). Esse é o exemplo de como uma frase faz pensar!

Me peguei pensando que também estou de saco cheio de tantos “velhos imaturos”, gente que nunca cresce… Gente enfadonha. E tédio é a “morte” para os criativos, criativas! Fazer as mesmas coisas do mesmo jeito… Isso não faz bem para ninguém!

Foto: Vecteezy

Lembrem-se que o cérebro também precisa de exercícios e, para ele, é sempre fazendo conexões novas! Experiências novas, livros e caminhos diferentes! Claro! Uma rotina é necessária para mantermos o equilíbrio, a sobriedade, ter uma raiz… Mas nunca a ponto de deixar de dar alimento para o cérebro. 

Aliás, tenho uma curiosidade muito grande sobre se existe algum estudo sobre pessoas controladoras e doenças como o mal de Alzheimer. Pessoas controladores tem sérios distúrbios, elas não fazem conexões novas e fazem de tudo para que o mundo se adapte à elas.

Já percebi que várias dessas pessoas, que conheci ao longo da vida, acabam com alguma demência, diferentes de pessoas mais soltas, que conseguem “driblar” melhor as fases que a vida traz. Se alguém souber de algum estudo sobre isso, me indique!

Ah! Apesar do processo de criação ser estudado muito na profissão de artista, saiba que cada pessoa também passa por isso! Sabe aquele “jeitinho” diferente que cada um faz bolo, por exemplo? Nada mais é que o processo de criação!

A dica é: procurem saber mais sobre isso, não é um assunto difícil e é maravilhoso como autoconhecimento!

Perguntas? Mandem pra coluna!

Bom final de semana para todas, todes e todos!

Foto: Ana Paula Barcellos

Angela Diana

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Foto principal: FreePik

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.