Temas: naturezas, vivas ou mortas!


Chamamos de “naturezas mortas” todo o trabalho que é feito com objetos inanimados como modelos. O tema nasceu na antiga Grécia. Em Pompéia e outras cidades, já se faziam murais representando flores, taças, garrafas… Depois na Holanda , no século XVII , o termo foi muito usado em catálogos de artes.

O Aguerrido Temeraire, de Willian Turner – Foto: reprodução da internet

Temos também as marinhas, que poderemos englobar nas “naturezas vivas”. Como o nome diz, são as paisagens referentes ao mar! Turner foi um artista inglês, mestre nessa técnica, tão importante que suas paisagens influenciaram vários artistas impressionistas.

Um dos mais consagrados em vida foi o artista impressionista Claude Monet, com seu estilo único de pintura (que de perto pareciam manchas e de longe você poderia ver as figuras), foi prolífico e viveu até os 86 anos, morrendo em 1926.

Nenúfares, Claude Monet – Foto: reprodução da internet

Nunca parou de pintar, mesmo quando, em consequência do trabalho (ele adorava pintar ao ar livre), teve catarata, quase ficou cego, época em que deixou as obras com cores mais intensas. Uma das obras mais famosas é “Os Nenúfares”.

Monet pintava como todo bom impressionista, do lado de fora do atelier, aproveitando a luz natural e as variações que ela poderia causar na paisagem.

Claro que Picasso também fez varias naturezas mortas. Ele e Braque trabalharam juntos muito tempo (foram os criadores do movimento cubista), podemos ver várias pinturas com objetos inanimados como violões, frutas , garrafas.

Violins Sourges, Pablo Picasso – Foto: reprodução da internet

Com o passar do tempo, o cubismo foi se modificando em sintético, analista e orfista, aonde as figuras são mais arredondadas e remetem a “Orfeu”, deus dos sonhos.

Digamos que todo artista que se preze, já fez uma natureza morta, de todas as variações possíveis! Sabe aquele quadro vaso de flor? Natureza morta!

Uma das series mais famosas são os “Girassóis” de Van Gogh. Para quem não sabe, ele realmente criou uma “série”, vários quadros com o mesmo tema.

Aliás, sobre isso tenho uma historia para compartilhar com vocês! Um dia estava eu sentada no banco da minha sala, tomando cafe e olhando uma gravura de um dos quadros dos girassóis. De repente, eu percebi que os girassóis se mexiam!  E não, gente, eu não estava tomando chá de cogumelo.

Série Girassóis, Vicent Van Gogh – Foto: reprodução da internet

A resposta é simples: Van Gogh pintou os girassóis numa sequência, como aquelas fotos tiradas quadro a quadro, enquanto um girassol é pintado no meio do movimento para se fechar, o outro é pintado aberto, e outro completamente fechado..

Ele criou um movimento incrível dentro do quadro.Se você prestar atenção, vai ver os girassóis se abrindo ou murchando…

Era ou não era um gênio?

Ah! A expressão “natureza morta” , vale também para técnica da fotografia!

E qual obra assim mais te atrai? Vasos de flores ou mar?

Boa semana e carpe diem!

Angela Diana

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Foto principal: Série Girassóis, Vicent Van Gogh – reprodução da internet

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *