Seu Dia a Dia – Como circula o dinheiro na economia, entenda!

Há um texto circulando pelas redes sociais e faço adaptação com outros semelhantes encontradas na literatura:

“Era uma vez, em uma pequena cidade, um viajante entra no único hotel, pede por um quarto e o dono comenta que a diária é de R$ 100,00.

Então, enquanto o cliente leva sua bagagem ao quarto, o dono do hotel recebe a diária antecipadamente, pega a nota de R$ 100,00 e vai até o supermercado pagar sua última compra.

O dono do supermercado, em seguida, pega a nota de R$ 100,00 e vai até o fornecedor, e paga sua última fatura.

O fornecedor, por sua vez, pega também a nota de R$ 100,00, paga o boleto da indústria que entregou o produto.

O proprietário da indústria que esteve na cidade a negócios e se hospedou no mesmo hotel, deixou a diária pendente, pegou a nota de R$ 100,00 e pagou o dono hotel.

Nesse momento, o cliente, vai a recepção e solicita a nota de R$ 100,00 de volta, agradece e justifica: Aconteceu um imprevisto e terei que continuar viagem”.

Moral da história: Ninguém ganhou um real sequer, no entanto, todos saldaram seus débitos e começaram a ver o futuro com confiança!

Exatamente, quando o dinheiro circula, a crise demora para chegar.

A partir dessa mensagem, entender o fluxo do dinheiro na economia não fica tão difícil. Pense agora, nesse momento de quarentena, como é a situação atual da cadeia produtiva.

Os fornecedores (que são matérias primas) vendem para as indústrias (que produzem os produtos), que vendem ao varejo (que são as lojas dos shoppings e comércio de rua), que vendem aos consumidores, que gastam seus salários e são trabalhadores dessas empresas (fornecedores, indústrias e varejo).

Então, podemos concluir que, se o João que recebe seu salário e não pode comprar, porque boa parte do comércio são empresas do varejo e estão fechadas, estas não faturam e não havendo receita, não pagam seus fornecedores e não fazem pedidos, gerando problema de caixa para pagar salários e demais despesas.

Entenderam qual é o problema real? O dinheiro não circulou. A crise, portanto, não foi por falta de demanda, mas sim, um choque de oferta (restrição as vendas).

Enfim, tirem suas conclusões. Isso apenas nos leva a pensar que:
“O pensamento político está reduzido à economia, como se tudo pudesse ser calculado”, Edgar Morin (1921) – um filósofo e sociólogo francês.

Desejo uma excelente semana!

Cláudio Chiusoli

Professor de Administração na UNICENTRO – Universidade Estadual do Centro Oeste /PR. Economista formado pela UEL. Pós-doutor em Gestão Urbana pela PUCPR. Facebook: fb.me/claudio.luiz.chiusoli
Instagram: @claudio.chiusoli
Linkedin: https://br.linkedin.com/in/claudio-chiusoli-50819531
Mande sua sugestão ou dúvidas para prof.claudio.unicentro@gmail.com. Acompanhe meu canal do YouTube

Foto: Pixabay

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *