Saúde não diz quantos leitos do Hospital do Coração foram usados

Contrato para 50 leitos foi encerrado hoje e outro, para 10, vai substituir

Telma Elorza

O LONDRINENSE

Acabou o contrato da Prefeitura de Londrina para 50 leitos de UTI exclusivo para pacientes do SUS, em casos de Covid-19, com o Hospital do Coração. A partir de agora, um novo contrato para apenas 10 leitos passa a vigorar. A medida foi tomada por economia, baseada na taxa de ocupação de leitos por covid que vem caindo na cidade. O contrato foi firmado em maio, por 60 dias e prorrogado por mais 60. No entanto, a Secretaria Municipal de Saúde não informou quantos leitos foram utilizados durante o período.

O LONDRINENSE recebeu uma denúncia dizendo que, nesse período, apenas quatro leitos teriam sido utilizados. O custo total do contrato, pelos 120 dias, foi de R$6.080.000,00. Questionado insistentemente sobre a utilização de leitos, via assessoria de imprensa, o secretario municipal de Saúde, Felippe Machado, não respondeu. O Hospital do Coração informou, via assessoria, que só a Prefeitura poderia passar os números.

Em nota, Machado disse que a renovação do convênio com o Hospital do Coração para novembro, com a disponibilidade de 10 leitos, foi feito de acordo “com nosso cenário epidemiológico e orientações dos técnicos e especialistas, juntamente com as projeções dos estatísticos da UEL. Está consignado no contrato um dispositivo de ativação rápida de novos leitos, caso se faça necessário.

Sobre os custos, ele informou que “assim como a metodologia adotada no Estado pela SESA (Secretaria de Estado de Saúde) – e a que é vigente ao leitos do HU – com advento da pandemia, a remuneração dos leitos se deu por disponibilidade, o que é mais efetivo, eficiente e de menor custo, do que os hospitais de campanha, os quais são montados pensando em um cenário, que nem sempre se concretiza”.

“Utilizar estruturas prontas e adequadas como foi feito no Hospital do Coração e na Maternidade do Hu, é muito mais assertivo, reduz custos, melhora qualidade de assistência e ambiência, tanto para os profissionais de saúde, quanto para os pacientes que são atendidos”, garantiu.

Em relação ao fato da prorrogação do contrato, assinada em 08/10, com validade até janeiro de 2021, como mostra o print abaixo, a justificativa é que o contrato é feito com vigência maior que o período de execução para ajustes e pagamentos.

Print do site da Prefeitura de Londrina

O contrato com o Hospital do Coração também foi analisado pelo Observatório de Gestão Pública de Londrina (OGPL). Uma reunião agora à tarde iria discutir o relatório produzido.

Foto: Divulgação/Hospital do Coração

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *