Religar-se a si mesmo

Com tudo o que está acontecendo, senti a necessidade de dividir com vocês, na coluna dessa semana, o que está sendo a minha quarentena…

É estranho não poder sair de casa…Na verdade, as fases de casulo são até bem vindas às vezes, mas agora é questão de vida ou morte…Resolvi aproveitar essa situação e voltar para a fonte de equilíbrio que me acompanha a anos: a pintura!

Tenho longas fases sem pintar..meu processo de criação é doloroso…Sim! Pode ser bem intenso! Pois, vejam, colocar na tela ou no papel o que se vive ou se sente até que não é difícil…mas entender o que guardamos no inconsciente ou como lemos algumas situações pode ser extremamente complicado. Citando Picasso, que dizia que “não sabia o que estava fazendo e que apenas sentia! “Apenas” já é muito!

 São tantas coisas para se falar..principalmente porque é a primeira pandemia que faço parte e como artista não posso ficar “lavando as mãos”…o que acontece é que nem sempre pintamos ou desenhamos o que queremos…e o medo ou receio de todo esse caos pode aparecer não só como figuras terríveis da peste…mas como pedaços da nossa vida..sabe aqueles momentos importantes? Então…

Percebi, com todo o processo, que agora é o momento de sentirmos e revermos o que realmente importa para nós…o que vocês acham? Comecei um tríptico…reduzi a um díptico…e depois recortei apenas o que era essencial para a pintura…para a composição.

Um momento de casulo é excelente para descobrirmos ou redescobrirmos aliás! Qual sua cor favorita, o que nos move para levantar todos os dias, somos capazes de conviver com nossos pensamentos? Como artista isso faz parte do dia a dia….A solidão da criação!

Que tal aproveitar esse momento e colocar os rabiscos no papel…sem se preocupar com a opinião alheia…escrever..colar…pintar…pegar aqueles lápis de cor dos filhos e voltar a ser criança de novo? Colorindo sem se importar com bordas ou limites?

Desenhar e pintar ajudam a trazer para a margem tudo o que realmente importa e que, às vezes, guardamos no mais profundo de nós!

Espero que essa quarentena nós torne mais humanos, mais sensíveis, mais verdadeiros!

Boa semana pessoal! E lembrem-se #fiqueemcasa #stayhome e mantenham a calma…

Angela Diana

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Fotos: Acervo pessoal


Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *