Quer tirar nota 1000 na redação do Enem? Veja 5 dicas!

Por Fábio Luporini, jornalista e professor de Filosofia, Sociologia, História, Redação e Geopolítica, em Londrina

Se tudo sair como programado, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deve ser realizado a partir do próximo fim de semana. As provas serão aplicadas em 17 e 24 de janeiro e a redação é um desafio a ser encarado no primeiro dia de questões. Aliás, para a grande maioria dos mais de 5 milhões de inscritos, esse é um dos maiores problemas: escrever. Pudera, a prova de redação tem peso 3 de 5 e é o principal critério de desempate entre alunos.

Entre as principais características do texto dissertativo-argumentativo, cobrado no Enem, estão a escrita formal e objetiva; a divisão estrutural entre introdução, desenvolvimento e conclusão, com proposta de intervenção; o uso de diferentes conectivos e sinônimos para construir um texto harmônico, coeso e sem repetições, além de muitas outras. Muitas vezes, escrever de forma simples faz com que os candidatos alcancem a tão sonhada nota 1000. Mas, separei aqui para você algumas dicas para mandar bem na redação.

Citações: citar textualmente um filósofo, um pensador ou uma personalidade mostra que o candidato consegue fazer a relação do tema com o mundo lá fora. Mas, só o faça se você tiver certeza da citação. Coloque entre aspas se for literal ou sem, se for uma releitura. São muitos os personagens que podem ser citados: Nelson Mandela, Sócrates, Platão, Aristóteles, Charles Chaplin, Steve Jobs, Michel Foucault, Zygmunt Bauman, entre tantos outros.

Dados e números: utilizar pesquisas, dados e números pode encorpar o seu texto, dando fundamento a certas argumentações. Normalmente, os textos de apoio trazem pesquisas de institutos e organizações, como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Organização das Nações Unidas (ONU), entre outros. Use à vontade, desde que você não copie literalmente a frase do texto de apoio. Mas, use. Porque isso mostra fundamentação.

Estética do texto: esse item pode estar diluído na correção do Enem, entre os critérios que pontuam. É extremamente importante e leva em conta muitos fatores. Por exemplo: letra legível, sem rasuras, parágrafos organizados, média de linhas nos parágrafos, nada de viúvas (aquelas palavras soltas que ficam sozinhas numa linha). Quando o corretor bate o olho na redação e vê que está bem escrita, a leitura fica mais agradável. O contrário também é verdade: se tiver garranchos e tudo estiver feio, chama a atenção negativamente.

Argumentação: leia atentamente os textos de apoio e, enquanto isso, vá sublinhando palavras, expressões e faça anotações ao lado. Quando você terminar a leitura, já terá uma ideia do que pode argumentar no texto. Escolha dois ou três, dependendo do tamanho do texto que você for escrever, e desenvolva-os. Faça isso de maneira organizada e didática, lembrando que é preciso indicar na introdução um pouco do que você for desenvolver.

Proposta de intervenção: sempre digo que, na conclusão do Enem, é preciso dar uma solução prática aos problemas discutidos. Leve em conta que é necessário dar uma solução que não exista ainda, que seja factível e que resolva os problemas apresentados por você ao longo do texto. Fuja de soluções do senso comum, como palestras em escolas e propagandas de conscientização na mídia. Seja criativo.

Foto: Cytonn Photography no Pexels

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *