Os 7 de Chicago mostra democracia e liberdades ameaçadas

O principal lançamento da semana na Netflix, o filme Os 7 de Chicago, não chega por acaso às televisões do mundo todo, estamos em época de eleições nos Estados Unidos.

O roteiro narra o evento histórico dos protestos organizados por vários grupos contra a Guerra do Vietnã, em 1968. A grande Convenção Democrata daquele ano, anunciando a candidatura de Hupert H. Humphrey à Casa Branca acontecia em Chicago, local dos protestos.

Os acontecimentos fogem do controle de ambas as partes, tanto dos protestantes quanto da polícia, resultando num grande tumulto. Como alguém tinha que ser responsabilizado, o governo acusou de conspiração um seleto grupo de pessoas e o julgamento entrou para a história dos Estados Unidos.

Como os protestos tiveram uma cobertura sem precedentes pela imprensa, tornando-se um evento mundial, receberam o slogan “o mundo inteiro está assistindo”. O filme trata esse seleto grupo de acusados como a “quadrilha da conspiração” e é dada a essa quadrilha uma ênfase à altura dos assassinatos de Martin Luther King e Robert Kennedy, deixando claro a importância histórica do julgamento e das pessoas que promoveram os protestos.

Escrito e dirigido por Aaron Sorkin (A Grande Jogada – 2018), o filme possui um elenco estelar: Sasha Baron Cohen (Borat – 2006), Jeremy Strong (Succession – 2018), Eddie Redmayne (Animais Fantásticos e Onde Habitam – 2016), Alex Sharp (As Trapaceiras – 2019), John Carroll Lynch (The Founder – 2016), Yahya Abdul-Mateen II (Aquaman – 2018), Mark Rylance (Jogador Número 01 – 2018), Joseph Gordon-Levitt (A Origem – 2010), Michael Keaton (ganhador do Oscar de melhor ator por Birdman – 2014) e muitos outros.

Sorkin faz uma direção interessante, apresenta os personagens e avança rapidamente no tempo, indo direto ao que interessa, o julgamento, empurrando a história para a frente, evitando diálogos monótonos e desnecessários, dando espaço para que este elenco de peso brilhe, fazendo com que os personagens cresçam em força dramática minuto a minuto.

Época de eleições nos Estados Unidos, época de eleições no Brasil, época de dinheiro na cueca, que o mundo todo veja os abusos governamentais. É neste contexto que Os 7 de Chicago se apresenta, mostrando como a democracia e as liberdades são ameaçadas o tempo todo. “O mundo inteiro está assistindo”, que o mundo todo veja.

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.

Foto: Divulgação

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *