O Subsolo

Por Cassiano Russo, professor de Filosofia

Uma fumaça com cheiro de enxofre começava a sair do subsolo daquela velha pensão situada na Vila Mariana. Lá dentro estava um homem a registar seu diário. Os transeuntes que passavam por perto do imóvel, assustados, decidiram chamar os bombeiros.

– A casa está pegando fogo!

– E do lado fica uma distribuidora de gás! – gritou um dos expectadores.

Quando o caminhão dos bombeiros chegou, um dos agentes entrou no quartinho e, para sua surpresa, viu um homem que, embora estivesse em chamas, continuava sentado a escrever. Ele simplesmente ignorava o incêndio.

– Estou pensando, senhor bombeiro. É por isso que tudo neste recinto está ardendo – disse o misterioso homem em autocombustão.

– Você precisa sair daqui agora! – gritou o bombeiro.

– Escute bem. Você sabe quem eu sou? Sou o homem do subsolo e me encontro neste estado desde 1864. Ninguém pode me livrar da minha maldição!

– Mas você está queimando! – tentou advertir o bombeiro em vão.

– Ah, isso é normal. Já espalhei minhas chamas pelo mundo. Cioran, Camus e Beckett são alguns dos “queimados” – e o homem soltou uma gargalhada infernal.

Vendo que não havia jeito de tirar o extravagante morador do subsolo da velha casa, os bombeiros decidiram soltar um jato d’água por fora mesmo, em direção à janela do quartinho, mas as chamas só aumentavam à medida que a água se espalhava.

– Isso não é coisa deste mundo! – gritou um observador.

– É o diabo! – exclamou uma velhinha com um lenço amarrado na cabeça.

A velha que acabava de citar o tinhoso sabia há muito tempo desses assuntos ocultos. Então ela se dirigiu ao orelhão mais próximo e ligou para seu neto:

– Bulgákhov, preciso de você aqui na rua daquele velho casarão urgente!

– Ok – respondeu o neto.

E a velha evaporou-se no meio da multidão que se aglomerava em frente à tragédia.

Quinze minutos depois, Mikhail Bulgákhov chegou ao local do incêndio. Ao presenciar a tragédia, ele tirou do bolso esquerdo do paletó um vidrinho com água benta. Fez uma breve oração e despejou o conteúdo do vidrinho numa das línguas de fogo. Num átimo, tudo se apagou. O homem que registrava seu diário também desapareceu. Uns estudantes do curso de Letras da USP reconheceram Bulgákhov.

– Olha só, pessoal! É o autor de O Mestre e Margarida!

Então o escritor russo bateu o pé no chão e também sumiu, restando somente uma fumaça branca onde ele estava.

E, para surpresa dos bombeiros, não havia um único sinal de fogo e de água no quartinho.

Foi então que a dona da pensão disse ao bombeiro que tentara salvar o homem que escrevia que há anos ninguém habitava aquele cômodo.

– E como a senhora explica que agora a pouco havia livros e papéis aqui?

– Não há nada aqui, seu bombeiro.

O subsolo estava completamente vazio quando ela abriu a porta.

FIM.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *