O Padre e O Homem sem Fé

Por Cassiano Russo, professor de Filosofia

Um padre e um homem desesperado conversam em um banco de igreja.

– Meu bom padre, vim hoje a este templo porque não aguento mais!

– O que se passa consigo, meu filho?

– Não tenho mais fé.

– Explique-se – diz o padre.

– Eu cresci dentro do catolicismo, mas, com o passar do tempo, comecei a duvidar da autoridade divina, até chegar ao ponto em que eu me encontro hoje, sem a proteção do Senhor. Não duvido da existência de Deus, o que eu não aceito é ser Seu servo.

– Então você é um ateu?

– Não! – exclama o homem – Vivo numa espécie de anarquismo metafísico. E sofro muito por isso. Tenho diálogos intermináveis com o Senhor, porém me nego a aceitar que ele tenha alguma primazia sobre minha existência.

– Mas se você reconhece a existência de Deus, por que não crê Nele? – questiona o padre.

– Porque eu não vivo na graça – lamenta-se o homem.

– Pobre homem! Não posso imaginar sua desgraça! – afirma o padre, com sua voz mansa e firme.

– Você já leu um livro chamado Os Irmãos Karamázov?

– Sim, meu bom padre, li Dostoiévski, mas não posso admitir a recusa do bilhete e, no entanto, também não consigo aceitar que inocentes sofram para alcançar o Paraíso!

– Pois esse é o preço da salvação. O homem tem de sofrer para merecer o reino dos céus!

– Não suporto esse sofrimento, padre.

– Meu jovem, só há um caminho para que você se recupere: você tem que sofrer, levar essa sua angústia até as últimas consequências. No final você há de rezar e reencontrar a fé perdida. Será uma reza de torturado, porém você há de chegar lá.

– Talvez o senhor tenha razão – sentencia o homem, que dá de costas para o sacerdote e se retira da igreja sem dar mais atenção para a conversa.

Ambos já estavam no outro mundo quando esse diálogo ocorrera.

FIM.

Foto: Pixabay

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *