Mulher não deve ser obrigada a ser mãe

Chega essa época do ano e o que se mais vê é sentimentalidades com o Dia das Mães. Veja bem, nada contra. Eu sou mãe e gosto muito da minha, que está viva e saudável (beijo, dona Estelinha). Também gosto de ganhar presentes e faço questão de dar algo, nem que seja uma lembrancinha. Mas, o que me incomoda, é essa sensação que a época transmite, a de que toda mulher tem que ser mãe. E gostar disso.

Não, não tem. Não é por termos nascido com o kit mulher (vagina/útero/ovários) que somos obrigadas a ser mães. Eu, se não tivesse uma gravidez não planejada, acho que não teria filhos. Aliás, não sei como meu filho sobreviveu e virou um homem bom tendo eu como mãe. Alguma coisa fiz certo, mas não me pergunte o quê. Ou é carma dele mesmo. O Zé foi um “escorregão” – lógico que o amo de paixão e curto ser mãe dele -, mas tomei providências para que ele fosse o único. Não, acho que não aguentaria ter mais filhos.

Eu acredito que, para ser mãe, é preciso ter dom.
Mães nem sempre são meigas, boas, carinhosas, sãs mentalmente. Vejo tantas mulheres lidando com filhos como se eles fossem estorvo. Mães mais preocupadas com o próprio umbigo e as crianças largadas ao “Deus dará”. Emocionalmente, principalmente. Mães que “apenas” cumpriram o papel que esperavam delas. Vejo mães que usam os filhos para atingir os pais. Vejo mães que engravidaram sem querer (como eu) e se viram perdidas, sem estrutura emocional para se por no prumo, quanto mais um filho.

Não. Não é porque temos o kit que temos instinto maternal e condições psicológicas de cuidar de uma criança. Talvez, se respeitássemos isso, e não cobrássemos tanto a maternidade de cada mulher em idade fértil (pare perguntar para casais quando vão ter filhos, a pior pergunta que alguém pode fazer. Se quisessem ter filhos já teriam. Se não tem: ou não querem ou não podem e você não tem nada a ver com isso) estaríamos criando futuros adultos mais saudáveis e ajustados.

E, para àquelas que têm o dom da maternidade e adoram, Feliz Dia das Mães.

Telma Elorza

Equipe O LONDRINENSE

Atenção: As opiniões postadas nesse espaço não refletem necessariamente a opinião do jornal.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *