Meu primeiro imóvel é possível?

Quem não deseja ter seu primeiro imóvel? Ao contrário dos outros assuntos que escrevi, aqui vão comentários para quem não possui imóvel e paga aluguel.

Sabe-se que, no longo prazo, além de um ativo, o investimento imobiliário é considerado um mercado estável e seguro. Lembro-me do meu primeiro imóvel. Mesmo depois da formatura, pagava aluguel por muitos anos antes de comprá-lo.

Naquela época, antes de adquiri-lo, comprei um crédito imobiliário por meio da Caixa Econômica Federal, que me permitiu fazer uma poupança durante um certo tempo.

Isso, de certa forma, me obrigava a poupar mensalmente até ter dinheiro suficiente para dar entrada no imóvel.

Partindo dessa ideia, uma opção é procurar um imóvel com uma boa oferta e buscar financiamento de longo prazo.

A entrada será de acordo com sua renda familiar declarada e geralmente varia entre 10 a 20% do valor do imóvel com o restante financiado. Mas certamente, dependerá muito da negociação.

Por exemplo, se o imóvel custa R$ 300 mil, você precisa dar R$ 60 mil (20%) de entrada.

No meu caso, quando adquiri o imóvel, dei de entrada o valor da carta de crédito referente ao saldo que estava depositado na Caixa Econômica Federal durante 6 anos.

O restante financiei por 180 meses (15 anos), uma prestação que seria equivalente o valor do aluguel daquele imóvel, sendo que a prestação era decrescente (conhecido como SAC – sistema de amortização constante) que, significa, a cada mês o valor caia um pouquinho.

Outra situação também bastante importante, que fiz na época, como havia o saldo devedor, sempre que sobrava algum dinheiro ia ao banco e amortizava. No final de tudo, o financiamento que era de 15 anos, pagou-se em 10 anos (120 meses).

Antes de começar a pensar, vale a pena se dedicar a esse planejamento. Você pode obter apoio de um corretor especializado para procurar o imóvel desejado. Assim, ficam essas dicas:

• Verifique seu orçamento familiar e tente economizar para dar de entrada;
• Procure uma construtora idônea ou consulte informações do antigo proprietário (imóvel usado);
• Informe-se a respeito do limite de crédito antes de pesquisar por um imóvel;
• Procure as melhores taxas nos bancos. As taxas de juros ainda estão baixas e há diversas fontes de financiamento como bancos, consórcios e direto com construtoras.
• E o mais interessante, se você tem FGTS, pode usar.

Acredite, isso é possível e é uma realidade.

Pense nisso! Fica a sugestão. Ótima semana.

Cláudio Chiusoli

Professor de Administração na UNICENTRO – Universidade Estadual do Centro Oeste /PR. Economista formado pela UEL. Pós-doutor em Gestão Urbana pela PUCPR. Facebook: fb.me/claudio.luiz.chiusoli
Instagram: @claudio.chiusoli
Linkedin: https://br.linkedin.com/in/claudio-chiusoli-50819531
Mande sua sugestão ou dúvidas para prof.claudio.unicentro@gmail.com. Acompanhe meu canal do YouTube

Foto: Pixabay

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.